ECPF: ?EURoeO técnico é um administrador?EUR?, diz Antônio Freitas

Freitas aposta num trabalho intenso e envolvimento com todos dos setores

Por
· 1 min de leitura
Antônio Freitas: abrir horizontesAntônio Freitas: abrir horizontes
Antônio Freitas: abrir horizontes
Você prefere ouvir essa matéria?

Antes da entrada em campo com fardamento de jogo, as equipes fazem uma atividade prévia no gramado. Começa pelos goleiros, que trabalham em separado. Em seguida o preparador físico comanda um aquecimento com o grupo. Este ano, no Esporte Clube Passo Fundo temos uma novidade: a presença do treinador durante o aquecimento. Por quê? “Pela vivência fora do Brasil, pois a gente absorve conhecimentos de uma cultura diferente”, explica o técnico Antônio Freitas. Aos 40 anos, ele tem na bagagem nove anos no exterior como atleta e dois anos e meio como treinador. “Temos que abrir horizontes. Sou um cara muito intenso no dia a dia. O técnico é a cabeça pensante da equipe, ele articula, decide e necessita estar atento e participando de tudo. Acabo envolvido 100%, pois não existe outra forma”.

 

Adrenalina e conversa
Antônio Freitas também subsidia seu modus operandi com conhecimentos adquiridos quando era jogador. “Por ter sido atleta estou sempre muito próximo. É um feeling que outro pode não ter. Quando a gente fica do lado de fora a adrenalina é intensa”. O envolvimento com o clube é grande, pois em alguns dias fica das 8 às 22 horas no Vermelhão. De olho em tudo e conversando com todos. “Desde a chegada, converso com o Sagna e o Kiko (funcionários do clube) pessoas que passam um carinho. Procuro falar com todos e ir conhecendo as peculiaridades do clube. Não é só o trabalho de campo. O dia a dia do clube é importante. É uma grande engrenagem onde todos devem se sentir bem. Técnico, atletas, diretoria, staff ou o pessoal da cozinha, todos são importantes”.

 

Percepção e cobrança
O objetivo é acertar, segundo Antônio Freitas. “O técnico é um gestor, um administrador. Outros técnicos também têm as suas formas de trabalhar. Tem que haver muita percepção e diálogo, mas sou muito exigente. Cobro muito e exijo muito e não poderia ser diferente. Nisso entra o aspecto motivacional e eu acredito muito nas relações humanas, entre técnico e jogadores, para ter um bom trabalho em campo”. Sobre a pré-temporada, ele diz é um momento para colocar em prática as novidades. “O grupo tem muito potencial e o importante é a união de e trabalhar para subir. Esperamos colher os frutos”, concluiu.

Gostou? Compartilhe