?EURoeRecomeçamos a contar nossa história?EUR?

Colegiado comanda o clube e prepara uma nova estrutura administrativa

Por
· 1 min de leitura
Taschetto: ?EURoenão é um chefe só?EUR?Taschetto: ?EURoenão é um chefe só?EUR?
Taschetto: ?EURoenão é um chefe só?EUR?
Você prefere ouvir essa matéria?
Após uma crise financeira, o Esporte Clube Passo Fundo passou por mudanças administrativas. Um tempo para a bola e o clube não disputa a Copa Seu Verardi. O foco, agora, é pagar dívidas e reiniciar uma reestruturação. Isso já começou e o ECPF vem sendo administrado por um colegiado: Elói Taschetto, Alberto Scortegagna, Luiz Valério, Alberto Poltronieri e Volnei Strapasson. De acordo com o patrono Taschetto “não tem chefe”. Isso significa que a presidência não é exercida por uma pessoa e, sim, pelo grupo de cinco conselheiros. Mesmo sem a bola, o jogo segue no Vermelhão da Serra. “Pagando contas, mas mais da metade já acertamos. Isso só quando existe documento da dívida e vamos finalizar as trabalhistas primeiro”, explicou.
 
Jantar
O Passo Fundo promoveu um jantar, na sexta-feira, 06, no salão de festas do Vermelhão da Serra. Conselheiros, associados e torcedores ficaram sabendo sobre a situação do clube. Também foram apresentadas as propostas para viabilizar o futebol em 2020. “Hoje recomeçamos a contar a nossa história. Das cinzas vi renascer o Esporte Clube Passo Fundo. Vamos recomeçar com um novo tipo de administração. Necessitamos ter a confiança de todos para contar com a comunidade”, disse com entusiasmo o patrono Taschetto. Ainda neste ano, o ECPF deve iniciar com as categorias de base, além de preparar a estrutura do departamento de futebol para a Divisão de Acesso no próximo ano.
 
Gostou? Compartilhe