Um drop nacional

Skatista de Passo Fundo vence Brasileiro de Street Skate e compartilha rotina de treino

Por
· 1 min de leitura
A modalidade consiste em fazer manobras na pista e em locais públicos, como corrimão e bancos de praçaA modalidade consiste em fazer manobras na pista e em locais públicos, como corrimão e bancos de praça
A modalidade consiste em fazer manobras na pista e em locais públicos, como corrimão e bancos de praça
Você prefere ouvir essa matéria?

Os olhos curiosos acompanham a movimentação das pessoas que se aproximam da pista de skate do Parque da Gare enquanto as mãos deslizam com uma certa rapidez pela fita vermelha que sustenta a comprovação de melhor skatista brasileiro na categoria iniciante de Street Skate. Naquela manhã de quarta-feira (18), um dia depois de retornar da cidade de São Paulo, o jovem Matheus dos Santos Teixeira ainda fala com certa timidez sobre o campeonato nacional que disputou na capital paulista nos dias 14 e 15 de dezembro.

Os sorrisos, porém, denunciavam que o atleta estava na fase de assimilação do feito que realizou ao vencer outros cinco competidores na etapa nacional. “Eram três skatistas de cada estado. A eliminatória foi formada por duas linhas de 45 segundos. Os classificados têm mais 5 manobras e, nas duas linhas, a melhor volta”, explica. Com o passo à parte mais alta do pódio, aos 14 anos, o jovem atleta ingressou na categoria amadora. “A maioria entra com 17 ou 18 anos”, enfatiza ele sobre a ascensão no ranking.

O troféu que repousava ao lado dele, à sombra de uma árvore enquanto as rodinhas de outras pranchas deslizavam pelas rampas do parque sob um calor já ardente da manhã, sinalizava que aquele gesto de erguer o primeiro posto significava, sobretudo, renúncia.  “Meu pai foi até a escola e eu consegui adiar uma prova”, conta. Essa conciliação entre a formação intelectual e o desenvolvimento esportivo, aliás, foi uma constante na vida de Matheus ao longo de todo o ano, período no qual se dedicou integralmente aos treinos físicos e técnicos. “Eu saía da aula, almoçava e vinha para a pista no início da tarde até o final da noite”, recorda. “No ano passado, ele também competiu. Mas, agora nós vimos a diferença de ter um suporte, um apoio”, complementa o pai do skatista, Christian Teixeira.

Modalidade Olímpica

Reconhecido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) como modalidade, o skateboarding deve ser uma das competições presentes nas Olimpíadas de Tóquio, disputadas no próximo ano. O reconhecimento animou o jovem skatista passo-fundense que afirma querer fazer do esporte, profissão. “Eu quero evoluir no ano que vem para poder participar de outros campeonatos”, projeta Matheus, cuja vaga no próximo campeonato brasileiro da categoria já está assegurada por ter sido o campeão do circuito anual. “Hoje em dia, o skate é algo mais profissional”, assegura.

Gostou? Compartilhe