Adeus a Vadão, ex-técnico da Seleção Brasileira Feminina

Treinador comandou a equipe do Brasil na Copa do Mundo da França

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O mundo do futebol se despediu na segunda-feira (25) do técnico e ex-jogador de futebol, Oswaldo Alvarez, o Vadão, aos 63 anos. Ao longo dos 34 anos dedicados ao futebol, Vadão esteve no comando da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, além de equipes nacionais como Atlhetico Paranaense, Corinthians, Guarani, São Paulo e Ponte Preta. O último trabalho foi a frente da equipe Canarinho na Copa do Mundo da França 2019. Vadão teve duas passagens pela Seleção Brasileira, totalizando quatro anos e quatro meses de trabalho. O técnico foi importante peça na reestruturação da equipe feminina ao liderar um trabalho que culminou no quarto lugar nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Além da conquista de duas Copas Américas, em 2014 e 2018, e a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015.Também liderou a Canarinho em duas Copas do Mundo, no Canadá em 2015 e França 2019. O trabalho foi reconhecido pela FIFA e, em duas oportunidades, Vadão concorreu ao título de Melhor Treinador do Mundo, nas temporadas 2015/16 e 2017/18.

A carreira

Antes de se tornar técnico, Vadão foi jogador de futebol. Canhoto, atuou como meio-campista em times do interior paulista. Aos 28 anos, após encerrar a carreira como atleta, iniciou o curso de Educação Física pela Faculdade Fundação Karnic Bazarian, em Itapetininga (SP). O objetivo inicial era ser preparador físico, no entanto, a carreira seguiu novos rumos, primeiro como assistente técnico e, depois, como treinador. O primeiro trabalho como técnico foi no Mogi Mirim, em 1992, onde fez história no futebol nacional ao implementar o famoso “Carrosel Caipira”. Dono de um olhar atento, Vadão foi o responsável por lançar nomes como Rivaldo, em 1992 no Mogi Mirim, Kaká, em 2001 no São Paulo, e Andressinha, em 2014 na Seleção Feminina, como fazia questão de destacar. 

Títulos

Com a Seleção Feminina, Vadão conquistou a Copa América do Equador 2014 e Chile 2018, e medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015. Com o Criciúma obteve o Campeonato Catarinense 2013, no Tokyo Verdy a Supercopa do Japão  2005, pelo São Paulo o Torneio Rio-São Paulo 2001, no Atlhetico Paranaense o Campeonato Paranaense 2000 e no XV de Piracicaba o Brasileiro Série C 1995.

Gostou? Compartilhe