Ciclismo: Esporte também é lugar das mulheres

Pedala Guria foi criado para impor o ritmo feminino nas pedaladas

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As mulheres também estão presentes no ciclismo. O grupo Pedala Guria é a principal porta de entrada para o público feminino no esporte. Com um ritmo mais lento, a equipe conta com a participação de crianças e até idosos que buscam se divertir. Na segunda matéria da série de reportagem sobre os grupos de ciclistas em Passo Fundo, você também conhece um pouco mais sobre a equipe que busca se preparar o ano todo para disputar o Campeonato Estadual e sobre o grupo mais tradicionalista da cidade, que não perde o seus costumes com o passar dos anos.

Pedala Guria

Acolher as mulheres, esse é o intuito do Pedala Guria. Devido a um ritmo mais rápido, elas não conseguiam acompanhar seu amigos e acabavam desistindo rapidamente do esporte. Com isso, o grupo foi criado com intuito de pedalar de maneira mais lenta, acolhendo não só mulheres iniciantes, como também homens, crianças e idosos. “Depois elas vão para outros grupos, em maiores distância e com ritmo mais acelerado”, explicou uma das fundadoras, Fabrícia Pedrozzo. Agora, no inverno, até por uma questão de segurança, as pedaladas estão sem um dia definido e sendo programado através das redes sociais. No verão, mais de 40 mulheres se juntam para pedalar nos percursos que acontecem na terça-feira à noite e no sábado à tarde. O grupo participa de campeonatos, mas não para competir ou conquistar prêmios. Como a ideia é pedalar em um ritmo mais lento, participam das provas de cicloturismo.

Tomates Bike Team
Os Tomates compõem um grupo de ciclistas que carregam um objetivo muito bem definido: competir. Focando na categoria Master, os membros deixam o mountain bike de lado para pedalar nos asfaltos. Com a bicicleta speed, seus pneus mais finos e com maior velocidade, os competidores já conseguiram ir até a Porto Alegre em menos de 8 horas. A paixão pela competição é tão forte quanto pelo ciclismo. Em março deste ano, a grande quantidade de participantes no Campeonato Gaúcho conseguiu trazer uma etapa do campeonato para a cidade de Passo Fundo – algo que não acontecia desde 2004. O estadual, é realmente a competição mais almejada pelos Tomates. Além dos pedais que acontecem no sábado de tarde, treinam diariamente para competir e participam de outros campeonatos para manterem o ritmo.

Mesmo no ciclismo, os Tomates também precisam ser regados para amadurecerem. O grupo conta com lojas de material esportivo como parceiras, além de um plano de sócios, onde os membros que competem pagam uma mensalidade para sustentar as viagens e despesas. Fundado em 2015, dois anos depois o grupo foi registrado com CNPJ. “Ser registrado é mais fácil para conseguir patrocínios. Antes, as portas se fechavam facilmente”, contou o presidente do grupo, Cassiano Pinzon. Somente nesta segunda fase que o grupo foi chamado de Tomates. Isso, devido a uma história antiga, quando um dos integrantes era muito exigente quanto a horários e regras, querendo retirar os tomates podres do grupo. O antigo membro acabou saindo e os Tomates ficando.

Ventos do Sul

Tradicionalista, assim pode ser definido o Ventos do Sul. O pedal de bastimo, como é chamado o surgimento do grupo, aconteceu há três anos atrás. Entre familiares e amigos, 40 pessoas se reuniram para ir pela estrada de chão até o tropeiro camponês. Para manter a tradição, todo ano é realizado o mesmo percusso para comemorar o aniversário da equipe. Outra tradição é o comes e bebes. Toda quinta-feira, após percorrem 20k no passeio urbano noturno, param em algum bar para repor suas energias. Na segunda-feira também é realizado um pedal na cidade, enquanto no sábado à tarde o percurso é na estrada de chão – sempre partindo da Praça Antonini Xavier. Com cerca de 30 membros participando ativamente e na faixa etária de 40 anos, o grupo é aberto para receber qualquer pessoa para pedalar. “O povo olha e acha que somos atletas e que eles não podem participar. Faço o convite para que apareçam na praça para pedalar também”, convida a presidente do Ventos do Sul, Luciana Borowsky.

Gostou? Compartilhe