Conmebol libera clubes do licenciamento para Libertadores Feminina

Entidade, por enquanto, mantém edição 2020 do torneio continental

Escrito por
,
em
Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) eliminou a obrigatoriedade de licenciamento para os clubes que disputarão a Copa Libertadores da América Feminina deste ano. A competição, com sede em Santiago (Chile), teria início em 25 de setembro, assim como a edição masculina. Ambas foram suspensas devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Por enquanto, o torneio feminino continental está mantido pela entidade.

Para obter o licenciamento, os clubes deveriam atender a requisitos esportivos - infraestrutura, administrativos, jurídicos e financeiros - no que tange o futebol feminino. Entre os critérios para aprovação no sistema de licenças, definido pelo Conselho da Conmebol e divulgado em março, estavam a obrigatoriedade de que, ao menos, dois membros da delegação fossem mulheres e que, a partir do ano que vem, o requerente tivesse, no mínimo, "um acordo formal com a equipe de categoria juvenil, que participa de campeonatos organizados em âmbito nacional, regional ou local". Vale destacar que a suspensão do licenciamento limita-se a Copa Libertadores deste ano. 

No ofício enviado às confederações, a Conmebol justifica a liberação da obrigatoriedade da licença para 2020 "considerando os impactos da pandemia da covid-19, o impedimento do desenvolvimento ordinário do futebol e tendo conhecimento da suspensão de torneios femininos" por conta da pandemia. Por aqui, as duas divisões nacionais (Séries A1 e A2) foram interrompidas e, segundo a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), ainda não há previsão de retorno.

O Brasil terá três representantes na Libertadores Feminina deste ano: o Corinthians, atual campeão continental; a Ferroviária, campeã brasileira, e o Avaí/Kindermann, que ficou em terceiro na Série A1 do ano passado e herdou a vaga que seria do Timão, vice do campeonato nacional. Em 12 edições disputadas, são nove títulos brasileiros. O São José, com três taças, é o maior vencedor da competição. Colo-Colo (Chile), Sportivo Limpeño (Paraguai) e Atlético Huila (Colômbia) são os únicos times de fora a conquistarem o torneio.

Gostou? Compartilhe