Um pé na Rússia, outro no Brasil

Passo-fundense morou em Moscou por três anos e retorna anualmente ao país

Escrito por
,
em
Paulinho trabalha na área de treinamento esportivo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Sair da sua terra natal, deixar família e amigos para se aventurar em um território com clima e cultura totalmente diferente. Esse foi o desafio do passo-fundense Paulo Michailoff que morou durante três anos na Rússia para fazer seu mestrado em Educação Física. De volta ao Brasil, o também professor ainda retorna ao país anualmente, agora para fazer um doutorado, e conta sobre sua experiência no território que é sede da Copa do Mundo 2018.

 

Paulo se mudou para Moscou em 2008, mas começou a traçar essa grande mudança na sua vida já em 2005. Formado em Educação Física e fazendo um curso de treinamento esportivo em Erechim com um professor que havia feito mestrado na Rússia, encontrou a oportunidade de participar de um grupo que iria para o país fazer uma extensão universitário no mesmo ano. Na visita a Universidade Nacional de Cultura Física, Esporte e Turismo da Rússia conseguiu uma carta convite que autorizava a fazer o mestrado em Moscou. A porta de entrada estava aberta, restava arrecadar dinheiro para poder fazer as malas. “Voltei ao Brasil, consegui juntar um dinheiro e pegar um empréstimo”, contou Paulinho morou em território russo por três anos com um amigo de Curitiba.

 

Diferenças
Por estar habituado a cultura brasileira, uma dificuldade de adaptação nos primeiros meses em Moscou. O principal obstáculo nessa caminhada foi o sol. Durante o inverno, chegou a ficar dois meses sem ver a estrela. A claridade aparecia por volta das 10h da manhã, mas às 15h tudo já estava escuro outra vez. No verão, a situação se invertia. A noite chegava depois das 23h e antes das 04h já era dia novamente. “Atrapalha um pouco o sono e você fica muito mal humorado”, completou Paulo. O idioma também se mostrou uma pedra no caminho, precisando fazer proficiência em língua russa durante os primeiros nove meses para começar a arriscar algumas palavras e entender melhor as aulas.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desse fim de semana

Gostou? Compartilhe