Morre o ex-jogador Santarém

Craque dos anos 1960/70 era chamado de ?EUR~Pelé da Serra?EUR(TM)

Por
· 2 min de leitura
Santarém completaria 80 anos em dezembro

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Aos 79 anos de idade, Santarém morreu na manhã de terça-feira, 07, no Hospital São Vicente em Passo Fundo. O ex-jogador e ex-técnico de futebol lutava contra um câncer e estava hospitalizado há duas semanas. Antônio Carlos Lemos Santarém nasceu em Porto Alegre em 30 de dezembro de 1939. Deixou a esposa Helenita e os filhos Emerson, Daniele e Patrícia. Seu corpo foi velado no Memorial Vera Cruz e, à noite, foi trasladado para Porto Alegre onde será sepultado, hoje, às 8 horas no Cemitério São Miguel e Almas.

 

O futebol
Santarém iniciou em times menores da capital e logo chegou à base do Cruzeiro, onde começou a carreira profissional. Chegou a Passo Fundo vindo do Veterano de Carazinho para o 14 de Julho. Também atuou no Gaúcho, Flamengo de Caxias, Ypiranga de Erechim, Glória e Juventude dentre outros. Também foi técnico tendo passado por clubes de Passo Fundo e região. Depois trabalhou na Caixa Econômica Estadual em Passo Fundo, onde manteve residência por décadas. Santarém era um bom papo e suas histórias encantaram gerações nos cafés Oásis e Borga ou no Krep’s, locais que mais frequentava. O assunto, claro, era sempre o futebol. Manteve um bom relacionamento com jogadores de várias épocas, pois era comum encontra-lo conversando com Bebeto (já falecido), Cláudio Freitas ou Zé Ricardo. Não foi diferente na despedia, onde encontramos Sandro Sotilli, Vadecão, Canhoto, Saul, Mário Tito...

 

Clássico e habilidoso
Quem viu Santarém jogar responde com os mais elogiosos adjetivos. Entre os ex-jogadores há uma unanimidade: foi um craque. Vadecão jogou com ele no Gaúcho em 1962/63 e no 14 em 1965. Diz que “era fantástico, fora de série, muito clássico e tinha muita noção de jogo. Se fosse hoje, ele seria milionário”. Mário Tito teve Santarém como treinador no Gaúcho em 1976/7, mas já conhecia o seu futebol. “Quando cheguei a Passo Fundo, em 1970, o vi atuar pelo 14. Jogava muito. Nossa! Era muito clássico”. Saul Custódio foi companheiro de equipe no 14 de Julho entre 1971 e 1972. “Foi um privilégio, nosso camisa 10 era o ‘Pelé de Serra’. Sabia o que fazia, era um meia diferenciado para a época, pois ele entrava na área e enfrentava os zagueiros”, contou com entusiasmo.

 

Em campo
Não faltam histórias sobre o craque. Em 1968, Santarém fez dois gols na decisão que deu o título da Segunda Divisão ao 14 de julho, no Estádio Celso Fiore. No Gauchão 1971 o 14 acabou com a invencibilidade do Internacional. Jogo complicado e aos 12 minutos do segundo tempo Zezinho e Santarém trocaram passes, bola lançada para Pedrada que estufou a rede de Gainete. Enfim, ele construiu o gol da única vitória de uma equipe passo-fundense em jogos oficiais sobre a dupla Gre-Nal. Mas o arquivo de O Nacional também registra o gol antológico de Santarém na vitória por 3 x 1 do 14 de Julho sobre o Flamengo de Caxias. Jogo pela Segunda Divisão, em outubro de 1967, ele recebeu a bola na intermediária e driblou nada menos do que sete adversários e, ainda, o goleiro e mandou para o gol. (Colaborou o jornalista Lucas Scherer) 

Gostou? Compartilhe