Trocando passes com os zagueiros

Ludwig e Miller formam a dupla de zaga do Passo Fundo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Futebol se joga com 11 e todos são importantes. Mas há peculiaridades regionais com uma pitada de folclore. Diz a lenda que, se em outros estados um time se monta a partir de um bom atacante, aqui no Rio Grande do Sul começa com um zagueiro. Agora, no caso do Esporte Clube Passo Fundo, inicia com uma dupla de zaga: Ludwig e Miller. Dividindo os espaços no gramado ou as funções de marcação, a dupla se entende muito bem. E continua afinada fora de campo, onde mantém uma linguagem similar para falar da equipe como um conjunto, da marcação solidária e da evolução do grupo. Os defensores dividem o bom desempenho com o experiente goleiro Villa, os laterais, volantes, meias e atacantes: “não é só uma zaga, é um time”.

 

Os zagueiros
Com 1,92m de altura, Eduardo Enrique Ludwig está com 25 anos. Natural de Bom Princípio, já jogou em times como Bahia, Figueirense e Lajeadense. Com 1,87m, Miller da Silva Melo está com 24 anos, nasceu em Cruzeiro do Sul, no Acre, jogou pelo Nacional de Manaus, Uberlândia e Vila Nova. O Passo Fundo estreou na Divisão de Acesso do Campeonato Gaúcho com uma vitória em casa. Mais do que um bom começo, é uma dose de tranquilidade para os jogadores. “Quando a gente sofreu o gol pensei que a torcida teria uma reação, mas continuou nos apoiando”, disse satisfeito Ludwig. Ele abre o jogo para falar da ansiedade da estreia. “Você se prepara um semestre inteiro e aí vêm os primeiros 15 minutos de jogo. Parece que você está carregando a família toda nas costas. Mas depois vai”, explicou.

 

Ação em conjunto
“Não é só a zaga. A defesa começa no ataque. Por isso a gente tem um poder defensivo muito forte”, explicou Miller. “O primeiro objetivo é não tomar gol. É um conjunto para atacar e para defender, onde um (setor) ajuda o outro, da saída à marcação”. Reforçando as palavras de Miller, Ludwig entende que o time “evoluiu bastante taticamente e a marcação começa desde o primeiro atacante”. Esse entrosamento foi gradativo na pré-temporada, através dos treinamentos táticos. Mas o crescimento dentro de campo depende muito das peças que estão atuando. Para que isso dê certo há, também, uma afinidade no elenco. Segundo Miller, o diálogo é constante. “A gente conversa muito dentro de campo”. A vida de zagueiro não é nenhuma barbada. Mas pode ser facilitada com boa marcação dos volantes, laterais e meias. Essa obstrução na frente da zaga é o famoso primeiro combate. Os volantes Thiago Costa e Nattan vêm cumprindo esse importante papel. “É não deixar jogar diante da gente e criar dificuldades para eles (adversários)” exemplifica Miller.

 

Confiança
Domingo, às 15 horas, o Passo Fundo enfrentará o União Frederiquense, na nova Arena União, em Frederico Westphalen. Se depender do otimismo da dupla de zagueiros o time volta com uma vitória. Mas, claro, tudo com a bola e os pés no chão. “Tá todo mundo querendo trazer os três pontos. Vamos enfrentar um estádio lotado, é a inauguração. Mas não falta qualidade para vencer”, entende Ludwig. No outro lado da zaga, Miller reforça que “a vitória em casa foi muito importante e aumenta a nossa confiança. Fomos o único time que venceu em casa na primeira rodada. Isso também ajuda a buscar um bom resultado”. Papo encerrado e os zagueiros voltaram ao vestiário, pois logo começaria um treinamento tático. Enfim, com ou sem a bola, Ludwig e Miller formam uma dupla bem afinada.

Gostou? Compartilhe