ECPF: ?EURoe?? difícil fazer futebol sem bilheteria?EUR?

Apesar das dificuldades, o presidente Ferrão garante que o time vai buscar a classificação

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Nivelar dinheiro com futebol é um malabarismo. Esse é o exercício administrativo no Esporte Clube Passo Fundo em preparação à Divisão de Acesso, que começa no próximo dia 17. “Com tudo definido, estamos só pelo começo do campeonato. Se tiver o apoio da torcida, o time tem chances de buscar uma classificação que é o nosso propósito”. Assim, o presidente Selvino Ferrão deu o toque inicial sobre o momento do clube. Também falou sobre as dificuldades para fazer a bola rolar. “A direção fez o que era possível para colocar o time em campo, mas precisa do torcedor. É difícil fazer futebol sem bilheteria. Hoje tem a folha deste mês que, depois de muito esforço, está garantida. Mas está tudo certo, temos alojamento, uniformes e estamos prontos”.

 

Taxas e burocracia
Ferrão reclama o excesso de taxas e outras cobranças que incidem sobre o clube todos os inícios de ano. “Esta semana, para liberação do estádio, temos que pagar um monte de taxas e enfrentar muita burocracia. Não tá fácil, pois é um gasto muito alto para um time do interior. É difícil e se a torcida não der a contrapartida fecha o futebol do interior. Até agora já gastamos mais de 150 mil para botar o time em campo. Oferecemos alimentação, compramos colchões novos e ar-condicionado. Reformamos alojamentos e vestiários, temos novas casamatas, pintamos e arrumamos quase tudo. Não é fácil, tem que se virar nos trinta. A gente gasta um horror e a arrecadação é zero”, desabafou o presidente.

 

Dívidas e pressão
Além das adversidades peculiares aos clubes do interior, o Passo Fundo passou por outras dificuldades para estruturar o departamento de futebol para a temporada 2019. “Se é difícil para os outros, para o Passo Fundo é cinco vezes pior porque ainda estamos pagando dívidas. O clube tinha tudo para não disputar esse ano, mas graças a um grupo que colaborou bastante a gente conseguiu chegar até aqui. Estamos com tudo pronto depois de muito trabalho”. Ferrão não esconde que esse exercício diário mexe com o seu condicionamento físico. “Acordo com a pressão baixa, uns 7 por 11. Mas no começo da tarde já sobe para 15, 18... É muita coisa, mas estamos com tudo pronto. Para cuidar do marketing e da parte burocrática, vamos contar com o Timm (Airto Glademir Toniazzo Timm), que será um gerente executivo. Temos que botar profissionalismo no futebol, porque a situação é difícil”, concluiu Selvino Ferrão.
“A gente gasta um horror e a arrecadação é zero”

Gostou? Compartilhe