Nos braços da torcida

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Julio Cesar desaba em prantos ao receber abraço da mãe e o carinho da torcida

O nó na garganta do goleiro Julio Cesar não se dissipou junto com o sonho do hexa na África do Sul. Visivelmente emocionado e lutando para não cair em prantos, o camisa 1 resistiu o quanto pôde e segurou firme o sentimento no saguão do Aeroporto Tom Jobim. No entanto, bastou um afago e o colo da mãe para que Julio demonstrasse sua tristeza em forma de lágrimas nos ombros de sua mãe, Dona Fátima.
Um dos jogadores mais abatidos e inconformados pela derrota por 2 x 1 para a Holanda, Julio Cesar foi o mais festejado pelos torcedores, que trataram de aplaudi-lo quando o goleiro cruzou o saguão. Ele retorna ao País nos braços do povo, apesar da falha decisiva no gol holandês.
“Agradeço o apoio de todos, é muito bom ter o meu trabalho reconhecido. Fizemos de tudo para trazer o hexa, mas não deu”, lamentou o goleiro, com os olhos ainda marejados e falando de forma arrastada.
Apesar da confusão que se formou à sua volta, com cerca de 80 pessoas gritando seu nome, Julio foi o único que ainda encontrou tempo para dar autógrafos e abraçar uma fã. Tudo isso deixou o camisa 1 brasileiro esmorecido pela tristeza. Depois de segurar as lágrimas, ele desabou quando entrou no carro e recebeu o abraço apertado de sua mãe. Ali, no colo de Dona Fátima, Julio, de 30 anos, voltou a ser o garoto nascido no Grajaú e que fez suas primeiras defesas no início da década de 90 no Flamengo.

Apoio do preparador

Julio Cesar não se defendeu das críticas que apontaram sua falha num dos lances capitais da eliminação brasileira na Copa do Mundo, o preparador de goleiros da Seleção, Wendel, tratou de sair em defesa de seu pupilo. “Talvez ele nem precisasse sair na bola no lance do primeiro gol, mas ele tinha muita vontade de acertar. Não dá para culpá-lo por isso”, encerrou.

Gostou? Compartilhe