Seleção masculina de vôlei vence a Argentina em virada por 3 sets a 2

O país também garantiu vitórias e classificações em outras modalidades

Por
· 2 min de leitura
O terceiro jogo será contra o Comitê Olímpico da Rússia (Foto: Julio Cesar Guimarães/COB)O terceiro jogo será contra o Comitê Olímpico da Rússia (Foto: Julio Cesar Guimarães/COB)
O terceiro jogo será contra o Comitê Olímpico da Rússia (Foto: Julio Cesar Guimarães/COB)
Você prefere ouvir essa matéria?

O vôlei masculino brasileiro venceu a Argentina de virada, por 3 sets a 2. A seleção brasileira teve dificuldades para vencer sua segunda partida na Olímpiada. A disputa ocorreu nesta segunda-feira (26), na Ariake Arena, pelo Grupo B do torneio de vôlei dos Jogos Olímpicos.

O time argentino venceu os dois primeiros sets com vantagem de 25 a 19 e 25 a 21. O Brasil se recuperou no terceiro set, vencendo por 25 a 21. No quarto, a vitória foi por 25 a 21, levando a disputa ao tie-break. O Brasil venceu a partida por 16 a 14.

O ponteiro Leal foi o maior pontuador da equipe brasileira, com 18 pontos (17 de ataque e um de saque). Lucarelli e Wallace também contribuíram bem, com 14 acertos cada um. Após o jogo, o experiente central Lucão analisou e elogiou o desempenho do grupo.

“Já sabíamos que seria um jogo tenso. Brasil e Argentina sempre têm esse script de jogo duro, longo, tenso. Eles defenderam muito bem, a linha de passe funcionou, mesmo com o nosso saque forçado, mas conseguimos a vitória. Fiquei feliz, primeiro pela vitória, claro, e também pela demonstração de equipe. Mexemos um pouco e o bacana é que quem está saindo está jogando junto com quem está dentro”, analisou o técnico Renan Dal Zotto.

O terceiro jogo da sequência de cinco nesta primeira fase do campeonato será na próxima quarta-feira (28), às 9h45, contra o Comitê Olímpico da Rússia.

Destaques

No terceiro dia oficial de jogos, o Brasil ganhou sua segunda medalha de prata, com Rayssa Leal do skate. O país também garantiu vitórias e classificações em outras modalidades.

No surfe, Gabriel Medina, Italo Ferreira e Silvana Lima se classificaram para as quartas-de-final de Tóquio 2020. A competição prossegue nesta terça-feira (27), às 19h pelo horário de Brasília, com a previsão da realização das quartas de final, das semifinais e da final, antecipada pela organização do evento.

Na natação, o gaúcho Fernando Scheffer garantiu o Brasil na final dos 200m livre, que será realizada às 22h43 de segunda (26) do Brasil, no Tokyo Aquatics Centre. Já Leonardo de Deus foi às semifinais dos 200 metros borboleta. Ele foi o segundo colocado em sua bateria, com o tempo de 1:53.83, a terceira melhor marca das eliminatórias e o melhor tempo de Leonardo em toda carreira. Ele cairá na água novamente, já na briga por uma vaga na final, às 23h40 de hoje, no horário de Brasília.

As brasileiras Ana Patrícia e Rebecca derrotaram as quenianas Makokha e Khadambi por 2 a 0 (22/15 e 21/9) no Shiokase Park. Estreantes em Jogos Olímpicos, a dupla do Quênia se uniu pouco antes da competição e não tem experiência em partidas internacionais de vôlei de praia. 

No handebol masculino, a seleção sofreu a a segunda derrota seguida no Grupo A, desta vez para a França por 34 a 29, na manhã desta segunda (26). O país seque com chances de classificação, já que os quatro primeiros de cada chave avançam às quartas de final. O próximo duelo será contra a Espanha, às 7h30, de quarta (28).

No taekwondo, o Brasil deu adeus à competição neste domingo (25). A campeã pan-americana Milena Titoneli teve a chance de disputar o bronze, mas foi superada por 12 a 8 pela atleta Ruth Gbagi, da Costa do Marfin. 

No badminton, o carioca Ygor Coelho, de 24 anos, estreou vencendo Georges Julien Paul, das Ilhas Maurício, por 2 sets a 0 (parciais de 21/5 e 21/6). Atual campeão Pan-Americano, Ygor compete pela segunda vez nos Jogos. O país também é representado por Fabiana Silva em Tóquio. A brasileira foi superada ontem (25) pela ucraniana Maria Ulitina, por 2 sets a 0 (parciais de 21/14 e 22/20), na primeira partida válida pelo Grupo H. 

Com informações da Confederação Brasileira de Voleibol, Agência Brasil e Comitê Olímpico Brasileiro

Gostou? Compartilhe