Wendell Berlamino arranca no final e garante bronze nos 100m borboleta

Estreante em Paralimpíadas, brasileiro já faturou 2 pratas em Tóquio

Por
· 1 min de leitura
Com o bronze de Wendell, o Brasil soma 23 medalhas na modalidade (Foto: Ale Cabral/CPB)Com o bronze de Wendell, o Brasil soma 23 medalhas na modalidade (Foto: Ale Cabral/CPB)
Com o bronze de Wendell, o Brasil soma 23 medalhas na modalidade (Foto: Ale Cabral/CPB)
Você prefere ouvir essa matéria?

O brasiliense Wendell Berlarmino, de 23 anos, voltou a brilhar no Centro Aquático de Tóquio na manhã desta sexta-feira (3) na Paralimpíada com uma arrancada surpreendente na reta final dos 100 metros borboleta classe S11 (deficiência visual) que lhe garantiu a medalha de bronze, a única que faltava na sua coleção na Tóquio 2020, com o tempo de 1min05s20. O ouro e a prata ficaram, respectivamente, com os japoneses Keiichi Kimura (1min02s57) e Uchu Tomita (1min03s59).  

Mesmo especialista em outro estilo - Wendell é velocista no nado livre - o brasiliense competiu no borboleta. Ele ocupava a sétima colocação na virada para os 50 metros, quando foi recuperando posições, até que na metade final da prova disparou do quinto lugar até ultrapassar o holandês Rogier Dorsman, que mantivera a terceira posição por quase toda a prova. Com o bronze de Wendell, o Brasil soma 23 medalhas na modalidade.

Estreante em Paralimpíadas, Wendel faturou um ouro (50m nado livre classe S11) e prata (revezamento 4 x 100m classe 49). Wendell nasceu com glaucoma congênito e chegou a passar por várias cirurgias de transplante de córnea, que não evitaram a perda gradativa da visão.

Gostou? Compartilhe