Inteligência de dados aumenta produtividade e torna a agricultura mais sustentável

Integração de tecnologias como como big data e algoritmos apontam para o futuro do campo

Escrito por
,
em
Rodrigo Dias, engenheiro agrônomo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Algoritmos. Big data. Inteligência artificial. Termos que ganharam popularidade nos últimos anos, principalmente por conta do Facebook, e que têm sido decisivos nos mais diversos campos da economia. Essas tecnologias também se mostram muito eficientes na agricultura, onde sua aplicação aumenta a produtividade e a sustentabilidade do campo.

No dia a dia das lavouras, as ferramentas de dados auxiliam na análise do clima, nas estratégias de plantio das culturas e na medição do desempenho de cada talhão da fazenda. Avanços que serão ainda mais decisivos na próxima década, quando o aumento populacional do planeta demandará muito da agricultura.

"Os dados se tornaram o novo universo do agro. Eles transformam a compreensão dos processos produtivos, mudando expressivamente as consultorias e fazendas", afirma o engenheiro agrônomo Rodrigo Dias, CEO da ConnectFarm, empresa especializada em inteligência de dados para o agronegócio.

Dias aponta que, em 2030, seremos 8,3 bilhões de pessoas — um crescimento que exigirá uma maior produção de alimentos. "Além disso, será necessário 50% mais disponibilidade de energia e 30% mais água, o que obrigará uma produção mais sustentável", afirma o empresário, que abordará o tema em palestra no V Seminário Phytus, que ocorre entre os dias 30 de junho e 2 de julho, com transmissão pela internet.

No evento, o engenheiro apresentará as soluções desenvolvidas pela ConnectFarm, que integra tecnologia com os fatores de produção, buscando ampliar a produtividade, otimizar recursos e maximizar a rentabilidade. "Criamos um algoritmo capaz de analisar big data e entregar cerca de 15% mais em produtividade", destaca Rodrigo.

Um dos projetos da empresa é o Índice de Gestão Ambiental, baseado em um algoritmo que interpola atributos do solo, das plantas e do ambiente. O sistema melhora a inteligência à medida que aumenta sua base de dados, permitindo uma recomendação mais assertiva para cada ambiente da fazenda.

As inscrições para o seminário são gratuitas e podem ser feitas no site do seminário.

Gostou? Compartilhe