Agroindústria familiar mostra sua força na Expodireto

O número de empreendimentos interessados em participar do Programa de Agroindústria Familiar "Sabor Gaúcho", coordenado pela SDR, tem crescido "vertiginosamente", segundo o diretor do Departamento de Agroindústria Familiar, Comercialização e Abastecimento (Daca) da SDR, Ricardo Fritsch.

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma das apostas do Governo do Estado, o setor da Agroindústria Familiar mostra vigor na 14ª edição da Expodireto Cotrijal - evento que ocorrerá entre os dias 4 e 8 de março, em Não-Me-Toque. No Pavilhão da Agricultura Familiar, as agroindústrias familiares ocupam 88 dos 150 estandes.

A possibilidade de colocar seus produtos à venda na grande vitrine chamada Expodireto é um prêmio a esses empreendedores familiares, que passaram pelo criterioso Programa de Agroindústria Familiar "Sabor Gaúcho". O programa é resultado da Política Estadual de Agroindústria Familiar no Estado do Rio Grande do Sul, lei sancionada pelo governador Tarso Genro em janeiro de 2012. São instrumentos dessa política: crédito, tributação, assistência técnica, inspeção, certificação de origem, comercialização, entre outros. 

Os donos da agroindústria Cantinho Doce, de Casca, farão sua estreia na feira. Levarão para o Pavilhão da Agricultura Familiar, biscoitos, cucas e massas. "Não estamos preocupados com o volume de vendas, mas com a divulgação dos nossos produtos", afirma Gilcéia Piccini Marconi, que trabalha juntamente com a mãe, o marido e uma vizinha. A Cantinho Doce, criada em agosto de 2012, também vende a sua produção para escolas de Casca e Paraí, beneficiadas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). 

O número de empreendimentos interessados em participar do Programa de Agroindústria Familiar "Sabor Gaúcho", coordenado pela SDR, tem crescido "vertiginosamente", segundo o diretor do Departamento de Agroindústria Familiar, Comercialização e Abastecimento (Daca) da SDR, Ricardo Fritsch. "Além de fornecer o Selo Sabor Gaúcho, garantindo ao consumidor que a agroindústria atende a uma série de exigências sanitárias e ambientais, o programa também oportuniza aos agricultores familiares linhas de crédito com juros mais baixos e ampliação da participação no mercado institucional, através do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) e Pnae", destaca Fritsch. 

Outra vantagem para quem optar por participar do Programa de Agroindústria Familiar é ter acesso gratuito a cursos oferecidos nos nove Centros de Formação da Emater/RS-Ascar. "Boas práticas de fabricação e processamento de leite, frutas, hortaliças e carnes são as capacitações disponíveis no momento. Estamos formatando o curso de Gestão de Agroindústrias, que também será oferecido, sem nenhum custo, aos produtores cadastrados no programa", explica Marli Bühler, da área de Qualificação Profissional da Gerência Técnica da Emater/RS-Ascar. 

Fritsch destaca, ainda, o esforço do Governo do Estado em qualificar e tirar da informalidade as agroindústrias familiares. "Em 2012, promovemos 16 seminários em diversas regiões do Estado, em que abordávamos questões como a regularização, gestão, comercialização e políticas públicas voltadas ao setor. Queremos agilizar o processo de legalização das agroindústrias familiares", afirma. "Além de agregar valor à produção, a agroindustrialização viabiliza a propriedade, diversifica a produção e favorece a permanência do homem no campo", explica Fritsch. 

No Pavilhão, os visitantes poderão encontrar produtos típicos da agricultura familiar, como embutidos, doces, derivados do leite, sucos, erva-mate, pães e cucas. O espaço, promovido pelo Governo do Estado, através da Emater/RS-Ascar, Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa), Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf/Sul) e Via Campesina, contará ainda com 52 estandes de artesanato e 10 destinados à comercialização de flores e folhagens. 

A expectativa é de que 100 mil pessoas circulem no local nos cinco dias de feira. O volume de negócios dos expositores familiares deve chegar a R$ 500 mil. A abertura oficial do Pavilhão da Agricultura Familiar será realizada no primeiro dia da Expodireto, segunda-feira (04), às 15h, na Praça da Alimentação.

Com informações do Governo do Estado

Gostou? Compartilhe