Governo propõe três perguntas para a sociedade sobre empresas estatais

O ofício foi encaminhado no dia 25 de abril pelo governador José Ivo Sartori ao presidente da Assembleia Legislativa

Escrito por
,
em
Proposta pe realizar o plebiscito junto com as eleições deste ano

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Ao encaminhar pedido para a realização de plebiscito à Assembleia Legislativa, o governo do Estado propôs três perguntas a serem feitas durante a consulta popular. Ofício encaminhado no dia 25 de abril pelo governador José Ivo Sartori ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marlon Santos, solicita que o processo seja realizado durante as eleições de outubro com perguntas relativas ao futuro de três empresas públicas. O objetivo é que a população diga “sim” ou “não” sobre os seguintes questionamentos:

1. Você autoriza a privatização ou federalização da Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações (CEEE-Par), Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-GT) e Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D)?

2. Você autoriza a privatização ou federalização da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás)?

3. Você autoriza a privatização ou federalização da Companhia Riograndense de Mineração (CRM)?

Para que seja viabilizado, o plebiscito precisa ser encaminhado à Mesa Diretora da Casa e, posteriormente, aprovado em plenário. Outra providência necessária é a aprovação do PL 69/2018, que prevê que a autorização legislativa para plebiscito possa ser feita em até 90 dias antes das eleições.

A proposta foi encaminhada em função do exíguo prazo para apreciação da matéria, tendo em vista que legislação atual, de 1991, prevê que a autorização deve ser dada em até cinco meses antes das eleições. Além disso, o projeto de lei adequa a legislação estadual à Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No ofício protocolado no parlamento, é destacado o fato de que “o Rio Grande do Sul vive um momento histórico, de escolha entre o Estado atual e um Estado moderno, com capacidade de investir e de prestar um serviço público com mais qualidade”. O texto destaca ainda que as medidas adotadas até então foram importantes na busca de um ambiente de bem-estar social e que outras ações ainda precisam ser implementadas para o atingimento de melhores indicadores na prestação dos serviços públicos.

Ao propor um “inédito processo de democracia direta e participativa”, o governo ressalta a impossibilidade do aporte de investimentos públicos junto ao Grupo CEEE, à CRM e à Sulgás, aptos e suficientes a sanear, respectivamente, o desequilíbrio financeiro e estrutural; o déficit operacional e alto custo para extração do carvão local; e alavancar a ampliação do fornecimento de gás, principalmente para a área industrial.

Por fim, o ofício salienta que não haverá ônus ao Estado para a execução do plebiscito devido ao fato de o mesmo poder ser realizado juntamente com as eleições deste ano.

Gostou? Compartilhe