MP assina renovação do programa de Olho na Validade

O consumidor que adquirir um produto alimentício com validade vencida deve exigir a troca por outro ou o ressarcimento do valor

Escrito por
,
em
André Marchesan (D) assinou o documento pelo MP

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Ministério Público, o Procon RS e a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) renovaram, na última quinta-feira, 05, o protocolo de intenções do programa De Olho na Validade. O promotor de Justiça do consumidor André Ricardo Colpo Marchesan representou o MP.

 

O objetivo do programa, criado no ano de 2012, é incentivar supermercadistas e fornecedores similares a aderirem, de forma voluntária, às regras e procedimentos padronizados em casos de produtos alimentícios com prazo de validade vencido e identificados pelos consumidores dentro dos estabelecimentos comerciais. Além disso, os estabelecimentos devem informar aos consumidores e órgãos sobre as medidas que devem ser adotadas.

 

De Olho na Validade

O consumidor que adquirir um produto alimentício com validade vencida deve exigir a troca por outro ou o ressarcimento do valor. Este direito está garantido pelo artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor.

 

Confira as regras:
- Se a loja não possuir naquele momento um produto alimentício idêntico, o consumidor receberá um produto da mesma espécie (de igual valor);
- Se não houver um produto da mesma espécie, o consumidor deverá escolher um produto alimentício da mesma seção do que estava vencido. Se o valor for superior ao valor do produto vendido, o consumidor arcará com a diferença;
- O consumidor não poderá receber crédito no valor correspondente ao produto alimentício vencido;
- O consumidor receberá, gratuitamente, uma unidade de produto alimentício equivalente a cada lote de produto vencido;
- Para efetuar a troca do produto alimentício o consumidor deverá informar o número do seu CPF para emissão de Cupom Fiscal. 
- Esta medida é válida para os produtos alimentícios que forem encontrados na área de vendas e antes de passar pelo caixa;
- Caso tenha passado pelo caixa, o Código de Defesa do Consumidor garante seu direito.

Também participaram da cerimônia a secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, a diretora do Procon RS, Maria Elizabeth Pereira, o presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (AGAS), Antônio Cesa.

Gostou? Compartilhe