Rio Grande do Sul mantém tendência de queda nos crimes contra a vida

Dados estatísticos da criminalidade apontam redução de 36,5% nos índices de latrocínio e de 25,9% nos homicídios

Escrito por
,
em
Para Schimer, os números refletem o esforço em fornecer recursos necessários ao desempenho dos órgãos da Segurança Pública

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os crimes contra a vida mantiveram, no primeiro quadrimestre de 2018, a tendência de queda registrada em 2017 no Rio Grande do Sul. O balanço dos dados estatísticos da criminalidade, apresentado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), nesta sexta-feira (18), aponta redução de 36,5% nos índices de latrocínio e de 25,9% nos homicídios, em comparação com o mesmo período do ano passado.

 

Em Porto Alegre, as ocorrências de homicídio doloso diminuíram 26,1% e as de latrocínio, 25%. A redução do número de vítimas fatais nos índices de homicídio doloso também se manteve, chegando a 24,6% no estado e na capital – um total de 281 mortes a menos no RS e 72 vítimas a menos em Porto Alegre, em comparação com o mesmo intervalo em 2017.

 

Para o secretário Cezar Schimer, os números refletem o esforço do governo estadual em fornecer recursos humanos e materiais necessários ao desempenho das funções dos órgãos da Segurança Pública. “Os números absolutos ainda são altos, mas o que vemos é a manutenção de uma curva descendente que comprova a efetividade dos investimentos feitos nas instituições e no ingresso de novos servidores”, afirmou.

 

Indicadores de eficiência

A partir de agora, os indicadores de eficiência da Brigada Militar (BM) e da Polícia Civil (PC) serão divulgados junto aos indicadores da criminalidade. Dessa forma, o processo torna-se mais transparente, possibilitando à população o conhecimento amplo do trabalho desenvolvido pela Segurança Pública gaúcha.

 

O balanço da PC aponta alta na apreensão de armas de fogo, prisões em flagrante e cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão. O grande destaque, no entanto, está na apreensão de entorpecentes, com alta de 282,96% na apreensão de ecstasy e 272,24% na apreensão de cocaína – drogas que demandam maior investimento financeiro por parte das quadrilhas de traficantes.

 

Para o chefe da PC, delegado Emerson Wendt, os números positivos refletem a filosofia de trabalho da instituição, focada na qualificação das investigações e na segmentação do trabalho e representada pela criação de delegacias especializadas em crimes como lavagem de dinheiro e abigeato. “Estamos asfixiando o poder financeiro dos grupos criminosos e desarticulando a cadeia de comando, nas mais diversas frentes. Os resultados são positivos e poderão ser avaliados ainda mais profundamente quando apresentarmos os demais indicadores de produtividade”, garantiu.

 

A BM apresentou alta na apreensão de entorpecentes – destaque para 71,92% na apreensão de crack –, e de dinheiro em espécie. Também foi registrado aumento no número de prisões em flagrante e prisões de foragidos. De acordo com o coronel Jefferson Jacques, comandante do Policiamento da Capital, o reforço no efetivo e os investimentos no reaparelhamento da corporação já surtiram efeito. “É possível planejar as operações e executá-las com mais efetividade. A recente aquisição de motocicletas, por exemplo, permitiu que déssemos início à Operação Cavalo de Aço, para combater com mais agilidade e mobilidade delitos como o roubo de veículos, que tem influência direta nos índices de latrocínio”, observou.

 

Divulgação oficial

Em 2016, a divulgação dos indicadores de criminalidade era semestral. A partir da mudança na gestão da SSP, passou a ser trimestral. Com as medidas adotadas pelo secretário Cezar Schirmer, como a reestruturação do Observatório da Segurança Pública, foi possível reduzir o espaço de tempo entre as divulgações. A partir de maio, os dados passarão a ser publicados no site da SSP mensalmente.

 

Ao todo, 17 indicadores são analisados. Eles representam os crimes de maior potencial ofensivo contra a vida e contra o patrimônio. Apenas um índice avaliado registrou alta em âmbito estadual: o estupro de mulheres.

 

Indicadores

Homicídio doloso: - 25,9%
Latrocínios: - 36,5%
Furtos: - 13,8%
Abigeato: - 28,8%
Furto de veículos: - 14,0%
Roubos: - 21,5%
Roubos de veículos: - 8,2%
Estelionato: - 7,1%
Furtos de bancos: - 45,3%
Roubo de bancos: - 35,7%
Furto de comércio: - 20,6%
Roubo de comércio: - 31,4%
Roubo de usuários de transporte coletivo: - 58,8%
Roubo de profissionais de transporte coletivo: - 33,7%
Ameaça contra mulheres: - 2,8%
Lesão corporal contra mulheres: - 3,3%
Estupro de mulheres: 4,9%

 

Reestruturação do Observatório da Segurança Pública

O Observatório Estadual da Segurança Pública (OESP), responsável pela gestão dos indicadores criminais da SSP, está aprimorando ações e reforçando o quadro de servidores. Para qualificar ainda mais a análise dos dados, a SSP recebeu o aporte de dois engenheiros de Produção do quadro geral de servidores do Estado e dois técnicos da extinta Fundação de Economia e Estatística (FEE).

 

Com o mesmo intuito, foram firmados convênios com a Universidade Autônoma de Lisboa, com a Uniritter, com a Faculdade de Direito de Santa Maria (Fadisma) e com o Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (Imed). As parcerias visam à produção de conhecimento científico e à elaboração de políticas públicas mais alinhadas com a realidade do RS.

 

Qlikview

Um novo sistema de gestão de dados foi implantado no OESP, com o intuito de agilizar e facilitar a visualização das estatísticas de criminalidade em todos os municípios. O software Qlikview também será difundido para todos os gestores de segurança do RS, que poderão acessar e acompanhar os dados em tempo real, atualizados diariamente.

 

A ação segue a diretriz de explorar ao máximo o uso da tecnologia na elaboração de estratégias no combate à criminalidade. O Qlikview é uma solução desenvolvida para aperfeiçoar os processos de gestão operacional e administrativa, por meio do aprimoramento do controle dos indicadores criminais.

 

A aquisição do software contou com o aporte de recursos do Programa de Oportunidades e Direitos (POD), parceria do governo do Estado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O investimento foi de R$ 1,5 milhão – R$ 1,2 milhão na compra da licença de uso e R$ 300 mil em consultoria e capacitação de servidores.

Gostou? Compartilhe