Secretaria da Saúde ouve setor de carnes antes de emitir medidas para prevenir surtos em indústrias

Casos recentes de transmissão da doença em frigoríficos motivaram a SES a preparar uma portaria com medidas preventivas

Escrito por
,
em
Foto: Divulgação

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Diretores da Secretaria da Saúde (SES) discutiram em webconferência, nesta terça-feira (28), estratégias de prevenção, monitoramento e contenção de surtos do coronavírus em indústrias com representantes de entidades representativas do setor de carnes e derivados, além de deputados estaduais. Casos recentes de transmissão da doença em frigoríficos motivaram a SES a preparar uma portaria com medidas preventivas não apenas para o setor de carnes, mas para toda a indústria.

“Queremos evitar surtos localizados da Covid-19, pois atingem não apenas os funcionários dessas empresas, mas seus familiares”, ressaltou a secretária da Saúde, Arita Bergmann, durante a webconferência. De acordo com a secretária, evitar a transmissão no ambiente industrial é uma via de muitas mãos: “A prevenção é responsabilidade do trabalhador em horário de trabalho ou fora dele, da gestão da empresa, do município e do Estado. Por isso estamos escutando diversas opiniões, para que a Portaria reflita na prática o que decidirmos aqui”.

A chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri, acrescentou que o novo coronavírus tem alto poder de transmissibilidade. “Cada pessoa infectada, se não for feito nada, pode contaminar cerca de dez outras pessoas”, disse.

O documento será publicado nos próximos dias, contendo recomendações gerais para todas as indústrias no Rio Grande do Sul, independentemente da área e do porte. “Queremos que as empresas detectem previamente e nos notifiquem oportunamente quando surgir algum caso suspeito de coronavírus dentro do seu âmbito. Um caso em uma empresa tem potencial de transmissão para outros municípios e outras regiões”, explicou o coordenador do Centro de Operações de Emergência (COE) da vigilância estadual, Marcelo Vallandro.

Entre as recomendações previstas estão reforço na higiene dos ambientes, escalas entre funcionários, distribuição e uso correto de equipamentos de proteção individual (EPIs), entre outras normas gerais e específicas para a produção industrial. “Precisamos sistematizar os fluxos de informações entre as empresas e as vigilâncias em saúde dos municípios e estadual”, reforçou Vallandro.

Assim como aconteceu com o decreto estadual que define o isolamento social, essas diretrizes podem vir a mudar no futuro, em função de parâmetros de saúde em cada região, como o aumento no número de casos e a lotação dos leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI).


Gostou? Compartilhe