Atividade industrial ainda não mostra sinais de retomada no RS

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), nesta quinta-feira (16), feito o ajuste sazonal, mostra uma queda de 0,8% em novembro de 2019, na comparação com outubro, quando já havia recuado 1,1%. O resultado revela uma nova fase de declínio a partir de junho de 2019, o que leva a atividade industrial no RS no mês aos patamares de março de 2018.


A itendência negativa do IDI-RS é confirmada em todas as bases de comparação utilizadas para a pesquisa de novembro. A média móvel trimestral, usada para apurar tendências e diminuir a volatilidade mensal, mostra queda há cinco meses (foi de -0,6% no penúltimo mês do ano passado). Além disso, dos seis componentes do IDI-RS, nenhum cresceu em novembro: foram negativos os desempenhos das compras industriais (-8,4%), do faturamento real (-2,5%), da massa salarial real (-0,4%) e da utilização da capacidade instalada-UCI (-0,6 ponto percentual e 81,2% de grau médio). As horas trabalhadas e o emprego ficaram estáveis.


Já na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o IDI-RS caiu 3,5% em novembro. Também nessa métrica, são cinco quedas nos últimos seis meses. Esse comportamento levou à desaceleração do crescimento do IDI-RS para 0,4% em novembro, com altas restritas aos indicadores de faturamento real (3,5%) e UCI (um ponto percentual).


Por fim, no acumulado de janeiro a novembro de 2019, em relação ao mesmo período de 2018, chama atenção o perfil disseminado de resultados negativos, em dez dos 17 setores pesquisados. A expansão da atividade é sustentada, principalmente, por Veículos automotores (9,6%) e, em menor medida, por Couros e calçados (4,5%) e Equipamentos de informática e eletrônicos (7,6%). Os destaques negativos ficaram com Químicos e derivados de petróleo (-1,3%), Máquinas e equipamentos (-5,2%), Têxteis (-6%), Metalurgia (-7,7%) e Vestuário e acessórios (-8,1%).

Gostou? Compartilhe