BM apresenta balanço da manifestação na Capital

Uma minoria provocou depredações em bancos e lojas.

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Assim como ocorreu na maioria das capitais brasileiras, Porto Alegre registrou nesta quinta-feira (20) uma série de manifestações pacíficas por diversos bairros. Uma minoria provocou depredações em bancos e lojas. O comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel Fábio Duarte Fernandes, fez um balanço parcial das ações policiais na mobilização - que reuniu 20 mil participantes. Vinte pessoas foram presas e 14 acabaram feridas.

Entre os prejuízos contabilizados até a meia-noite estão: 25 lojas depredadas, 10 saques e três prédios públicos danificados. O coronel confirmou que desta vez o objetivo da minoria era colocar fogo em vários pontos da cidade. Com as medidas preventivas, no entanto, a Polícia Civil - por meio de uma mandato de busca e apreensão - encontrou numa residência, no início da tarde, materiais de confecção de bombas molotov.

O oficial explicou que a manifestação ocorria pacificamente, quando uma minoria começou a arremessar pedras nos policiais. "Isso nos obrigou a adotar medidas preventivas com relação a postos de gasolina próximos aos alvos designados pelos depredadores. Nossos efetivos sofreram ações desses depredadores quando se depararam com a tropa de choque, na área da Polícia Federal próximo à Ipiranga. Tivemos que agir em função das pedras arremessadas e das bombas de molotov. Foi uma reação da Brigada em relação a essa postura dos depredadores."

Sobre as ações diferenciadas de uma minoria, o coronel destacou que alguns manifestantes, indignados com os saques promovidos por um grupo, tentaram dissuadi-los da ação. "Vamos continuar avaliando a operação, corrigir algum equívoco que tenhamos cometido em função da tática adotada. Mas vamos manter a técnica adotada, a estrutura que utilizamos porque ela tem dado resultado".

A atuação conjunta a partir da constituição de uma área judiciária integrada foi elogiada pelo coronel. Instalada no mesmo local, a equipe contou com integrantes da Defensoria Pública, juiz e promotor de Justiça, além das corregedorias da BM, da PC, da Delegacia de Polícia para Crianças e Adolescentes (Deca), Instituto-Geral de Perícias (IGP) e Samu. 

Nesta sexta-feira (21), as forças policiais devem se reunir para concluir o balanço da manifestação. "Fizemos frente a essas ações, que foram bastante violentas, bastante complexas, porque a massa de manifestantes totaliza 20 mil pessoas, massa muito grande. E a se concluir pelo número de pessoas presas e feridas, até agora não temos registro de nenhuma pessoa gravemente ferida, entendemos que a BM agiu de maneira correta".

Gostou? Compartilhe