Estado articula programa de vigilância sanitária das fronteiras

Intenção é evitar reintrodução da aftosa

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) reuniu, na quarta-feira, representantes de forças de segurança estadual e nacional e do setor produtivo para a articulação em torno do Programa de Vigilância de Fronteira – Sentinela, que será implementado para evitar a reintrodução do vírus da febre aftosa. O aumento da presença do Estado nas fronteiras com Uruguai e Argentina tem como objetivo garantir a sanidade do rebanho de bovinos e bubalinos quando da evolução do status sanitário do Estado para livre de aftosa sem vacinação.

O Rio Grande do Sul tem reconhecimento internacional como zona livre de febre aftosa com vacinação desde 1998. Com movimentos do Estado para a retirada da vacina, a região de fronteira é apontada em análise multicritério da UFRGS como de maior risco.
O Programa Sentinela foi construído para mitigar o risco de introdução de animais suscetíveis à febre aftosa de forma ilegal no território gaúcho, de produtos, subprodutos e objetos ou substâncias com potencial de contaminação, e difundir informações de medidas de biosseguridade, prevenção e controle de rebanhos nas propriedades da região.
Integração será vital
O programa tem área de abrangência de 50 quilômetros da faixa de fronteira, envolvendo 59 municípios nas fronteiras com Uruguai e Argentina, com 64.842 propriedades rurais e rebanho de 4,4 milhões de cabeças. A metodologia de trabalho prevê distribuição das equipes e gerenciamento das atividades em quatro blocos – Jaguarão, Santana do Livramento, São Borja e Santa Rosa.

Gostou? Compartilhe