Estado tem cinco novos casos autóctones de dengue

Em Passo Fundo, a cada 100 residências visitadas, 4,3 tiveram registro de larvas do mosquito, o que coloca o município em situação de alerta

Por
· 2 min de leitura
No último levantamento, 115 amostras deram resultado positivo para a larva do mosquito

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) confirmou cinco novos casos autóctones de dengue no estado. Foram registrados ainda outros dois novos casos importados da doença. O último Boletim Epidemiológico aponta que o ano já soma 24 casos, dos quais nove autóctones (contraídos em território gaúcho) e 15 importados. Ainda estão em investigação outros 72 casos. Os municípios com casos autóctones são Panambi (2), Cândido Godói, Erval Seco, Marau, Santo Antônio das Missões, Ivoti, Glorinha e São Borja.Este último boletim, divulgado nesta quarta-feira (27) incluiu o primeiro caso de Zika Vírus, autóctone, ocorrido no município de Gravataí. Não foram apontados novos casos das demais doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.


De acordo com o Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde da Secretaria de Saúde de Passo Fundo, o município está em situação de alerta. No último levantamento realizado com todos os bairros da cidade, a cada 100 residências visitadas, 4,3 apresentaram índice de infestação de larvas do mosquito. O local que apontou o maior percentual é o bairro São Luiz Gonzaga, com 11%. Seguindo tem-se os bairros Lucas Araújo, São José e Integração com 10%, centro e Vera Cruz com 9% das amostras. Os demais bairros que apresentaram índices inferiores são, respectivamente, Nene Graeff, Boqueirão, Planaltina, Santa Marta, Petrópolis, Vila Rodrigues, Roselândia, Victor Issler, Valinhos, Maggi, Záchia, Morada Além do Horizonte e Vila Luíza. O levantamento foi realizado no período de 28 de janeiro a 1ª de fevereiro deste ano.


Entre estes os bairros, foram visitadas aproximadamente 2.209 residências por amostragem. Das 172 amostras coletadas, 115 apresentaram resultado positivo para a larva do mosquito. Segundo a coordenadora do Núcleo, Ivânia Silvestrin, apesar das medidas de prevenção, os recipientes com maior incidência de larvas encontradas durante o período, continuam sendo os mesmos. “Infelizmente, ainda são os pratinhos de flores que lideram com maior percentual de criadouro. Depois temos o lixo, pneus e também tonéis de água da chuva. Pedimos que a população preste atenção e que não mantenham água nesses recipientes, pois são os criadouros que tem dado maior índice de incidência das larvas, e com isso o município entra em estado de alerta”, pontua.

 

Como funciona o levantamento
O município é dividido em 23 setores, que contemplam todos os bairros. Através de um programa do Ministério da Saúde, são lançados os bairros com a quantidade de quarteirões que o local possui, e o sistema sorteia quais destes deverão ser vistoriados. “Com isso, é trabalhado 20% dos imóveis dentro dos quarteirões sorteados. Então, por exemplo, os agentes trabalham uma casa, pulam quatro casas e trabalham na sexta casa, até fechar o percentual (20%) dos imóveis que devem ser vistoriados em cada quarteirão de cada bairro da cidade”, explica Ivânia.

 

Principais medidas de prevenção
Fechar as caixas d'água, tonéis e latões 
Guardar pneus velhos em abrigos 
Colocar embalagens de vidro, lata e plástico em uma lixeira bem fechada 
Limpar com escovação os bebedouros dos animais 
Manter desentupidos os ralos, calhas, canos, toldos e marquises 
Manter a piscina tratada o ano inteiro 
Guardar garrafas vazias com o gargalo para baixo 
Não acumular água nos pratos com plantas, enchendo-os com areia 
Colocar areia nos cacos de vidro dos muros.


Principais sintomas da dengue
Febre alta (maior que 38,5° C), de início abrupto e que dura entre dois e sete dias
Dores musculares intensas
Dor ao movimentar os olhos
Mal-estar
Falta de apetite
Dor de cabeça
Manchas vermelhas no corpo
Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados, todos oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Gostou? Compartilhe