Presidente Lara apresenta proposta de pente-fino nas isenções fiscais

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O presidente da Assembleia Legislativa Luis Augusto Lara (PTB) formalizou proposta de parceria para que o Tribunal de Contas possa fiscalizar o cumprimento das contrapartidas que as empresas devem cumprir para obter incentivos fiscais do Estado. A entrega foi nesta quarta-feira (17) durante apresentação do Secretário da Fazenda aos conselheiros e auditores do TCE, da nova gestão de desonerações fiscais e a criação de grupo técnico de avaliação dos incentivos.

Autor de pedido de CPI na gestão anterior, o presidente da Assembleia participou da reunião entre o Secretário Marco Aurélio Santos Cardoso e os membros do TCE. “Hoje é um marco histórico. Por 16 anos, houve a concessão de R$ 85 bilhões de reais em isenção fiscal sem nenhuma fiscalização por parte do Tribunal de Contas, numa verdadeira caixa-preta”, destacou. Lara defende que o TCE tenha o poder de fiscalizar se as empresas beneficiadas estão cumprindo o que foi acordado no momento da concessão do incentivo.

O pedido de CPI chegou a 15 das 19 assinaturas necessárias. Ele considerou praticamente sepultada a idéia, na medida em que o governo sinalizou com o acesso aos dados. Na manifestação dos conselheiros Estilac Xavier e Cezar Miola, houve elogios à proposta de Lara. "O TCE não tem o poder político para conceder os incentivos, isto é do executivo. Mas podemos fiscalizar os contratos. Na Assembleia, o deputado Lara tem sido bastante atuante na defesa da transparência na política de concessão", destacou.
Na proposta entregue por Lara, a Assembleia Legislativa participaria formalmente da parceria através da Comissão de Finanças e da Superintendência Administrativo Financeira, que irá avaliar a efetividade dos contratos.

Gostou? Compartilhe