RS Seguro une secretarias e órgãos no combate ao crime além da repressão

Segurança passa a ter novas diretrizes para desenvolvimento de políticas públicas mais eficientes

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Com base em estudos sobre a criminalidade, reconhecendo a violência como uma questão que vai além da segurança e é também um desafio social e econômico, o governo do Estado lançou, nesta quinta-feira (28), o RS Seguro. Criado por decreto, é um programa transversal, porque abrange várias secretarias e órgãos públicos. Também é estruturante, porque visa oferecer à população um estado mais civilizado para residir e investir.

 

Considerada uma das prioridades do governador Eduardo Leite, a segurança passa, a partir deste plano, a ter novas diretrizes para o desenvolvimento de políticas públicas mais eficientes mesmo diante da grave crise fiscal do Estado.

 

“O diagnóstico mostra que, nos últimos 10 anos, o aumento de aporte financeiro em segurança não representou de fato redução do crime. Por isso, estamos lançando este programa de governo, para articular ações de prevenção, repressão e reabilitação de criminosos, e, não menos importante, o lado social, melhorando o serviço de atendimento à população", destacou Leite.

 

A coordenação do RS Seguro fica com o vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior. “Começamos a pensar este plano lá na campanha eleitoral. Desde então, fomos aprimorando e ampliando até chegarmos no complexo desenho que hoje apresentamos ao público. E não pararemos por aqui, é só um começo. Agora, com integração e inteligência poderemos prestar um serviço de mais qualidade e efetivamente reduzir a violência”, afirmou Ranolfo.



Levando em conta a capacidade financeira limitada para investimentos, o RS Seguro baseia-se num tripé de três “Is”:

- Integração, com planejamento e execução articulada de ações entre os entes da Federação (União, Estado e municípios), outros poderes, iniciativa privada e sociedade civil; 

- Inteligência, a partir da ampliação e do compartilhamento de tecnologias de rastreamento e georreferenciamento, banco de dados e informações;

- Investimento qualificado, reduzindo sombreamento ou desconexão de investimentos entre União, Estado e municípios, tanto nos investimentos como no custeio dos serviços, além de focar em investimentos que ampliem a prestação dos serviços e que tenham um custo operacional mais baixo.

Com foco em áreas com indicadores de maior criminalidade e vulnerabilidade socioeconômica, o programa está dividido em quatro eixos:

1 - Combate ao crime, com foco nos municípios com maiores índices de violência, determina integração das ações policiais entre os órgãos para reduzir a criminalidade;

2 - Políticas sociais preventivas e transversais, o foco será nos bairros com altos índices de violência e mais vulneráveis no aspecto socioeconômico e um dos principais objetivos será oferecer alternativas e oportunidades atrativas aos jovens destas regiões;

3 - Serviços de segurança, melhorando o atendimento nos serviços prestados pela segurança pública desde a delegacia online até o prazo de resolução com uma resposta;

4 - Sistema prisional, cujo principal objetivo será a redução do déficit de vagas e a qualificação operacional e da gestão do sistema prisional.

Cada um desses eixos será desmembrado em metas e suas respectivas ações práticas, de curto, médio e longo prazo, que serão concluídas e divulgadas nos próximos meses.

“Estou muito seguro de que este programa tem consistência, porque se baseia em dados, e que significa um estado mais pacífico para que as pessoas queiram viver aqui. É um programa de desenvolvimento social e econômico. Para dar certo, precisa do esforço de todos nós”, concluiu o governador.

 

Gabinete de gestão integrada

Entre as ações imediatas do eixo de Combate ao crime está a criação do Gabinete de Gestão Integrada da Região Metropolitana (GGIMPoa). Com um decreto assinado também nesta quinta-feira (28), a finalidade central dessa unidade será promover a integraça??o entre órga??os estaduais, federais e municipais de segurança pública, especialmente guardas municipais e agentes de tra?,nsito.

 

A concentração de esforços permite ao GGIMPoa desenvolver aço??es conjuntas e simulta?,neas de prevença??o e repressa??o a?EUR criminalidade nos 34 municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre.

 

Ponto de partida

O programa RS Seguro é ponto de partida para outra medida relevante na área da segurança: o desenvolvimento do Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social, que será concluído antes do prazo determinado pelo governo federal.

 

Segundo o Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, publicado em dezembro de 2018, todos os estados têm dois anos para elaborar seus planos. A meta do governo gaúcho, conforme estabelece o decreto assinado nesta quinta-feira, é concluir o documento estadual em, no máximo, 240 dias – ou seja, até novembro.

 

Além de fortalecer a gestão com foco em resultados, o Plano Estadual potencializa o alinhamento com as políticas públicas nacionais e o acesso a recursos do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP). O plano terá validade de 10 anos e será avaliado anualmente.

 

Acesse a apresentação do plano RS Seguro e veja mais detalhes de cada um dos quatro eixos do programa.

Gostou? Compartilhe