Segurança Pública do RS recebe 112 viaturas e 2 mil coletes balísticos

O investimento foi de cerca de R$ 12 milhões, parte recebida de repasses federais, obtidos por meio de emenda parlamentar

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A segurança pública recebeu um reforço na manhã desta segunda-feira (8). A Secretaria da Segurança Pública entregou cinco ambulâncias para a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), 112 viaturas para a Polícia Civil e 2.253 coletes balísticos para a Brigada Militar (BM). Mais de 100 municípios gaúchos serão contemplados com as viaturas. A lista pode ser conferida aqui.

 

O vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, destacou que a entrega dos veículos e dos equipamentos de proteção individual (EPIs) vai ao encontro do que foi estipulado pelo RS Seguro, programa estruturante e transversal que preconiza a integração entre a União, o Estado e os municípios, a inteligência, com ampliação e compartilhamento de tecnologias de rastreamento, georreferenciamento e bancos de dados, e o investimento qualificado, a fim de diminuir os índices e reduzir a violência. "Tenho certeza de que essas viaturas e esses equipamentos farão a diferença no combate à criminalidade", garantiu. O secretário ainda prometeu, para os próximos dias, entrega de armamentos e de sistemas de monitoramento e de cercamento eletrônico.

 

O investimento nos veículos e nos EPIs foi de cerca de R$ 12 milhões. Cada viatura custou R$ 88 mil, totalizando R$ 9.856.000,00. O valor de cada colete balístico é de R$ 850,00, chegando a R$ 1.915.050,00. Tanto as viaturas como os coletes foram comprados com repasses federais, obtidos por meio de emenda parlamentar, somados a uma quantia de contrapartida estadual. As ambulâncias custaram R$ 164 mil cada, um total de R$ 820 mil, adquiridas com recursos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) e verba estadual.

 

O governador Eduardo Leite agradeceu o esforço da bancada federal gaúcha em unir forças em prol de um mesmo objetivo, deixando de lado diferenças ideológicas e partidárias. Durante a cerimônia de entrega, o governador comemorou o fato de que o primeiro trimestre de 2019 chegou ao fim com o menor número de latrocínios já registrado no Estado desde 2002, quando a contagem começou a ser feita. De janeiro a março deste ano, foram 16 casos. “Essa redução se dá com o trabalho incansável dos agentes de segurança pública, que trabalham diuturnamente para proteger o povo gaúcho”, reconheceu Leite.

 

O deputado federal Giovani Cherini, líder da bancada gaúcha na Câmara dos Deputados, exaltou a importância de todos os representantes dos partidos terem se unido para garantir a entrega dos veículos e dos EPIs. “Quando trabalhamos pelo Rio Grande do Sul, pensamos de forma coletiva”, destacou. Cherini lembrou que a bancada já havia conseguido, em 2016, um investimento de R$ 11,4 milhões.

 

O repasse garantido em 2017, de cerca de R$ 65,8 milhões, prevê, ainda, a compra de 226 SUVs e de 46 picapes para a BM. Os veículos estão em processo de entrega pela montadora ao Estado e, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública, ainda não há data estabelecida para a entrega.

 

A BM também receberá 556 carabinas fuzis 312 e 87 espingardas calibre 12. Já a Polícia Civil ainda deve receber 274 coletes balísticos e 89 fuzis carabinas. As armas estão em processo de entrega pela empresa vencedora da licitação. Somados à contrapartida estadual, o investimento na segurança pública estadual chega a R$ 74,4 milhões.

 

A emenda também determina o investimento de R$ 18 milhões em videomonitoramento e cercamento eletrônico, que serão disponibilizados a 36 municípios. Serão instalados 187 pontos e dez salas de cercamento eletrônicos, e 151 pontos e 20 salas de videomonitoramento.

Latrocínios no trimestre caem ao menor número já contabilizado na história do RS

 

O primeiro trimestre de 2019 encerrou com um resultado expressivo para a Segurança Pública do Rio Grande do Sul no que diz respeito ao combate e na prevenção de um dos crimes de maior gravidade: o número de registros oficiais de latrocínios no Estado foi o menor em toda a série histórica de indicadores criminais, que teve início em 2002. Entre janeiro e março deste ano, foram 16 ocorrências de roubos com morte*. A menor marca anterior (17) ocorreu no primeiro ano do monitoramento.

 

Os 16 casos do trimestre representam uma queda de 23,8% frente aos 21 ocorridos em 2018 no mesmo período. Na Capital, também houve retração considerável, de 80%, passando de cinco latrocínios nos três primeiros meses do ano passado para um caso em 2019* – marca que não era alcançada desde 2012.

 

Na comparação mensal, os roubos com morte também diminuíram. Em todo o Estado, a queda foi de 37,5%, com oito casos em março de 2018 e cinco no mês passado, o menor índice desde 2011, quando haviam sido quatro latrocínios. Na Capital, em igual recorte, a retração foi de 66,7%: de três ocorrências para uma, o menor número desde 2012, quando não houve registro desse tipo de crime no terceiro mês do calendário.

 

*O balanço não inclui a morte do advogado Gabriel Pontes Fonseca Pinto, 28 anos, no último dia 26, em Porto Alegre, que começou a ser apurada como homicídio, uma vez que nada havia sido levado da vítima. A partir da prisão de um suspeito no início de abril, a investigação passou a considerar latrocínio como hipótese principal, mas essa ocorrência só poderá ser somada aos 16 roubos com morte após a conclusão do inquérito. Caso se confirme a alteração no tipo de crime, o saldo do primeiro trimestre ficará igual à menor marca já registrada, em 2002.

Gostou? Compartilhe