Sancionada lei que institui plano de carreira do Ministério Público

O plano acaba com as mais de 30 carreiras do Ministério Público

Por
· 1 min de leitura
Gustavo Mansur / Palácio PiratiniGustavo Mansur / Palácio Piratini
Gustavo Mansur / Palácio Piratini

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Aprovado em agosto por 42 votos favoráveis e oito contrários, o Projeto de Lei 511/2019, que institui o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos servidores do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), foi sancionado pelo governador Eduardo Leite nesta terça-feira (8/9), em ato simbólico no auditório do MPRS, na capital.

“Recompensar os servidores pelo bom trabalho, assim como aplicar consequências para casos de baixo desempenho é fundamental. E, para isso, é fundamental que as regras, os critérios e os impactos na carreira e na remuneração estejam claros, na forma de lei. É o que estamos fazendo aqui, após aprovação de larga maioria dos deputados e, por isso, merece a minha sanção”, afirmou o governador.


O procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, afirmou que o MP gaúcho é considerado um dos mais efetivos do país, mas o único que não tinha um plano de carreira. “É preciso reconhecer o valor dos servidores que se dedicam, mas fazer isso com inteligência. É necessário dar a possibilidade de ascender na carreira, mas também precisamos compatibilizar isso com o momento difícil que a gestão publica enfrenta, com dificuldades financeiras. Por isso, a agora lei vai permitir uma melhor gestão dos servidores. Vai gerar uma economia após cinco anos, mas também irá permitir a reposição de servidores e manter a qualidade do serviço com menos dispêndio de dinheiro público”, destacou Dallazen.

Reflexos

De modo geral, o PCCS reduz os salários iniciais e aumenta a remuneração final que pode ser obtida pelos servidores do MP. O plano também acaba com as mais de 30 carreiras do Ministério Público, criando apenas duas: uma de nível médio e outra de nível superior.

Nessas carreiras, os funcionários poderão conquistar até nove promoções, com aumentos salariais. Como a legislação impede redução de salários, essas regras só valerão para os novos servidores.

Por conta da lei federal (LC 173/2020), que impede aumento de despesas decorrentes de alterações de carreiras até o fim de 2021, em razão da pandemia, o plano passa a vigorar a partir de 2022.

Gostou? Compartilhe