Antônio Roso compartilha experiências em reunião da CDL

Presidente Administrativo da Metasa e BsBios falou sobre sua carreira e inovações do setor agrícola

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Câmara de Dirigentes Lojistas recebeu ontem o empresário Antônio Roso como convidado da reunião-almoço. Com o salão cheio e espaços disputados, o palestrante foi Antônio Roso, presidente administrativos da Metasa e BsBios que abordou o tema “Casos de empreendedorismo”. O convidado falou um pouco da sua experiência a frente das empresas que são referência no setor. “Fico satisfeito em poder compartilhar um pouco da minha experiência com a sociedade. Acho que todas as empresas que investi em Passo Fundo estão tendo sucesso, tanto na área agrícola quanto na área do biodiesel e imobiliária. Compartilhar faz parte do mundo globalizado”, ressaltou.

O empresário disse que iniciou sua empreitada em meados dos anos 90 e chegou a surpreender-se com o crescimento rápido e a repercussão das empresas, principalmente a BsBios. Segundo ele, o desenvolvimento se deu em função da demanda. Por ser um projeto novo o governo incentivou muito para poder entrar nesse segmento dos combustíveis sustentáveis. Atualmente o Rio Grande do Sul é um dos maiores produtores de biodisel do país. “A importância foi a de agregar valor ao produto. Antes exportávamos todo o grão e hoje transformamos o grão em valor. A partir da entrada do biodisel os preços ficaram melhores para a produção. Acredito que a indústria trouxe benefícios para a região”, declarou. Hoje cerca de 30% da soja consumida é oriunda da agricultura familiar.

Mais de 300 caminhões transportam a produção diária, além da utilização da via férrea. Para Roso, o transporte é um dos maiores gargalos da produção. A falta de infraestrutura dos portos, aeroportos, rodovias e linhas férreas faz com que o crescimento esperado para o próximo ano, cerca de 6%, esteja ameaçado. “A ferrovia, por exemplo, é monopolizada e a empresa impõe os preços que não são vantajosos. Hoje o preço de uma carga transportada por trem ou caminhão não dá muita diferença. Devia ser a metade do preço”, enfatizou.

Além disso, a produção de biodiesel motiva o a mais uma opção de plantio, que é o da canola.  Ele não precisa de muito investimento, as máquinas usadas para soja podem ser usadas também no plantio da cultura de inverno. “Como a canola que está crescendo, com expectativa de aumento em 50% e tem retorno certo para o agricultor. Quem planta trigo pode ver como opção. Tem produtor que ainda não vendeu nem a safra do ano passado, e a canola o produtor passa no caixa e recebe”, destaca. O próximo passo da BsBios é expandir a produção também para lubrificantes. “Com esse incremento do governo o Brasil tem só se beneficiado. Temos uma vasta extensão de terra a ser ocupada, e podemos melhorar a produção em segmentos novos”, finalizou.

Gostou? Compartilhe