BRDE assina contrato como instituição financeira oficial do Fundo Setorial do Audiovisual

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O BRDE assume como a instituição financeira oficial do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O contrato entre a Ancine, BNDES e BRDE foi assinado nesta segunda-feira (14), no Palácio Piratini. O documento define o BRDE como o administrador do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O Governo Federal vai repassar R$ 500 milhões ao BRDE para a contratação de projetos de produção e distribuição de audiovisuais no país. 
O governador Tarso Genro destacou a importância do fundo setorial do audiovisual para a economia e a cultura do Estado. "Queremos integrar a cultura no processo de desenvolvimento, como geração de riqueza e de emprego, e ao mesmo tempo um agregador político". O presidente do BRDE, Renato de Mello Viana disse que a instituição assume um novo desafio. "A Ancine convoca a expertise dos técnicos do BRDE para analisar sonhos. Assumimos a tarefa de trabalhar com os profissionais que acreditam radicalmente na magia do audiovisual, da cultura e das artes". 
Vice-presidente do BRDE e diretor de Planejamento, Carlos Henrique Horn considera importante a parceria. "O acordo propõe a destinação de R$ 500 milhões nos próximos três anos para produção de cinema, produção audiovisual e para cumprimento de determinações da nova legislação, dentre as quais se destaca a obrigatoriedade da veiculação de obras cinematográficas nacionais na TV fechada". O presidente da Ancine, Manoel Rangel disse que a parceria consolida a operacionalização do FSA. "O Fundo Setorial é a principal ferramenta para a produção cinematográfica e audiovisual brasileira e, desta parceria, resultarão 150 novos filmes de todo o país". 
Também foi assinado um protocolo de cooperação entre a ANCINE e o BRDE para elaboração do Programa de Desenvolvimento do Audiovisual para a Região Sul, considerando a necessidade de ações cooperativas para o planejamento de políticas para a atividade audiovisual na Região Sul do país.
O Fundo 
Lançado em dezembro de 2008, o Fundo Setorial do Audiovisual é um dos principais instrumentos de fomento à indústria audiovisual no Brasil, tanto pela abrangência das linhas de ação quanto pela sua estabilidade, que contribui para a organização do mercado. As linhas de ação voltadas à produção, distribuição e comercialização de obras para cinema já contemplaram filmes como "O Tempo e o Vento", "Chico Xavier", "De Pernas Pro Ar" e "Cilada.com". Nos editais dedicados à produção para TV foram contemplados, entre outros, projetos como a animação "Meu Amigaozão" e a série jovem "Julie e os Fantasmas". 
O Comitê Gestor do Fundo Setorial é composto por dois representantes do Ministério da Cultura, um da Ancine, um do BRDE e por dois representantes da indústria audiovisual, indicados pelo Conselho Superior do Cinema. Seus recursos são oriundos da própria atividade econômica, principalmente da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional - CONDECINE - e do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações - FISTEL. 

O BRDE assume como a instituição financeira oficial do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O contrato entre a Ancine, BNDES e BRDE foi assinado na segunda-feira (14), no Palácio Piratini. O documento define o BRDE como o administrador do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O Governo Federal vai repassar R$ 500 milhões ao BRDE para a contratação de projetos de produção e distribuição de audiovisuais no país. 

O governador Tarso Genro destacou a importância do fundo setorial do audiovisual para a economia e a cultura do Estado. "Queremos integrar a cultura no processo de desenvolvimento, como geração de riqueza e de emprego, e ao mesmo tempo um agregador político". O presidente do BRDE, Renato de Mello Viana disse que a instituição assume um novo desafio. "A Ancine convoca a expertise dos técnicos do BRDE para analisar sonhos. Assumimos a tarefa de trabalhar com os profissionais que acreditam radicalmente na magia do audiovisual, da cultura e das artes". 

Vice-presidente do BRDE e diretor de Planejamento, Carlos Henrique Horn considera importante a parceria. "O acordo propõe a destinação de R$ 500 milhões nos próximos três anos para produção de cinema, produção audiovisual e para cumprimento de determinações da nova legislação, dentre as quais se destaca a obrigatoriedade da veiculação de obras cinematográficas nacionais na TV fechada". O presidente da Ancine, Manoel Rangel disse que a parceria consolida a operacionalização do FSA. "O Fundo Setorial é a principal ferramenta para a produção cinematográfica e audiovisual brasileira e, desta parceria, resultarão 150 novos filmes de todo o país". 

Também foi assinado um protocolo de cooperação entre a ANCINE e o BRDE para elaboração do Programa de Desenvolvimento do Audiovisual para a Região Sul, considerando a necessidade de ações cooperativas para o planejamento de políticas para a atividade audiovisual na Região Sul do país.

O Fundo 

Lançado em dezembro de 2008, o Fundo Setorial do Audiovisual é um dos principais instrumentos de fomento à indústria audiovisual no Brasil, tanto pela abrangência das linhas de ação quanto pela sua estabilidade, que contribui para a organização do mercado. As linhas de ação voltadas à produção, distribuição e comercialização de obras para cinema já contemplaram filmes como "O Tempo e o Vento", "Chico Xavier", "De Pernas Pro Ar" e "Cilada.com". Nos editais dedicados à produção para TV foram contemplados, entre outros, projetos como a animação "Meu Amigaozão" e a série jovem "Julie e os Fantasmas". 

O Comitê Gestor do Fundo Setorial é composto por dois representantes do Ministério da Cultura, um da Ancine, um do BRDE e por dois representantes da indústria audiovisual, indicados pelo Conselho Superior do Cinema. Seus recursos são oriundos da própria atividade econômica, principalmente da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional - CONDECINE - e do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações - FISTEL. 

Gostou? Compartilhe