Ex-diretor da Assembleia é condenado a mais de oito anos de prisão

Ubirajara Macalão foi denunciados pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O ex-servidor da Assembleia Legislativa Ubirajara Macalão foi condenado a mais de oito anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A sentença é da 2ª Vara Criminal do Foro Central de Porto Alegre. Por corrupção passiva, Macalão foi condenado a uma pena de quatro anos, quatro meses e dez dias de reclusão, e pelo crime de lavagem de dinheiro, a mais quatro anos de reclusão.

Conforme a denúncia do Ministério Público, quando era diretor de serviços administrativos da Assembleia, Macalão pediu e recebeu vantagens indevidas na execução do contrato de prestação de serviços existente entre a Assembleia e a Silvestre Administração. Entre os meses de março de 2005 e junho de 2007, ele recebeu R$ 75 mil. De acordo com a investigação da Promotoria de Justiça Especializada Criminal, ele recebia R$ 2,5 mil por mês, uma vez que era o responsável pela fiscalização do cumprimento do contrato.

O sócio-proprietário da empresa Silvestre Administração e Serviços Ltda., que prestava serviços de limpeza e conservação de prédios ao parlamento, é o segundo condenado do processo. O empresário José Odair Nunes recebeu pena de três anos e quatro meses de reclusão por corrupção ativa, e mais quatro anos por lavagem de dinheiro.

O Ministério Público apurou, ainda, que para dissimular a origem e a destinação do dinheiro ilícito, o empresário fazia o pagamento para Macalão em cheques emitidos para a própria empresa, endossados no verso e levados para serem sacados na agência bancária onde a Silvestre tinha conta-corrente, possibilitando, assim, ter acesso ao dinheiro sem a identificação do sacador.

O cumprimento das penas dos dois réus deve iniciar no regime fechado no estabelecimento que vier a ser determinado pelo Juízo da Execução. Ambos poderão recorrer da sentença em liberdade. O advogado de defesa, Giulio Perillo, já confirmou que vai entrar com um recurso no Tribunal de Justiça gaúcho.

Macalão chegou a ser preso

Na investigação que resultou no processo, Macalão chegou a ser preso pela Força-Tarefa da Promotoria de Justiça Especializada Criminal. Na época, o promotor Ricardo Herbstrith, encarregado das investigações, pediu a prisão preventiva de Macalão para evitar uma eventual combinação de versões entre os então suspeitos. O ex-diretor ficou no Presídio Central entre 22 de agosto e 26 de setembro de 2007.

Fonte: Correio do Povo

Gostou? Compartilhe