Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes

Devido à pademia, torneios nacionais não voltaram em todo o continente

Por
· 1 min de leitura
A Conmebol está comemorando o retorno de competições (Imagem: Divulgação)A Conmebol está comemorando o retorno de competições (Imagem: Divulgação)
A Conmebol está comemorando o retorno de competições (Imagem: Divulgação)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A principal competição de clubes do futebol sul-americano recomeça esta semana após paralisação de seis meses causada pela pandemia do novo coronavírus, mas a retomada causou reclamações e consternação em uma região onde o esporte ainda não está em pleno vapor.

Um total de 32 times de dez países disputa partidas da Copa Libertadores amanhã (15), quarta (16) e quinta-feira (17), embora o futebol ainda não tenha reiniciado em três deles, incluindo a Argentina.

"As equipes argentinas foram convocadas a competir em desvantagem e não estão preparadas para isso", disse Nicolás Russo, presidente do Lanús e diretor da Associação Argentina de Futebol.

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) está comemorando o retorno da Libertadores e da Copa Sul-Americana, que retorna em 27 de outubro.

Mas com diferentes nações reiniciando seus torneios domésticos em momentos diferentes - o Brasil retomou em junho; a Colômbia no fim de semana; a Argentina não começará até pelo menos outubro-- alguns times estão reclamando.

O técnico do Racing, Sebastián Beccacece, afirmou que o adversário da quinta-feira, o Nacional do Uruguai, terá jogado quase uma dúzia de vezes desde o recomeço, enquanto o clube da casa ainda não jogou.

"Essa é uma vantagem real e avassaladora", disse Beccacece. "Precisamos confiar que seremos fortes e poderemos apelar para nossa capacidade mental e emocional para tentar compensar essa diferença inicial, porque também estaremos sem a energia de nossos torcedores, que são tão vitais para nós. Mas temos para estar prontos para o desafio."

Todos os jogos serão disputados com portões fechados, mas com taxas de infecção ainda altas -- mais da metade de todos os casos de covid-19 está nas Américas, segundo a Organização Mundial da Saúde - há um medo de que os jogadores espalhem o vírus ao se deslocarem de avião pelo enorme continente.


Gostou? Compartilhe