Polícia ainda tenta descobrir o nome do atirador

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma das testemunhas do crime contra o superintendente de relacionamento da Corsan viu, nesta quarta-feira, as imagens captadas por uma câmera de segurança de estabelecimento próximo ao local em que Cláudio Ribeiro da Silva Steimbruch foi atingido. O homem, que não teve o nome revelado, confirmou que a gravação mostra o atirador, ainda não identificado, fugindo. De acordo com o delegado Cleber Lima, o nome do criminoso é desconhecido, mas a colaboração da testemunha contribui para que a polícia chegue à identidade dele e à motivação da tentativa de assassinato.

Um irmão da vítima também foi ouvido pela polícia nessa manhã. O médico, que não teve o nome divulgado, considera um milagre que Steimbruch esteja vivo, contou o delegado. O disparo atingiu a cabeça do homem de 50 anos. Ele permanece internado, em estado regular, na Santa Casa de Porto Alegre. Ainda não há data para ele ser ouvido.

O crime ocorreu na rua José do Patrocínio, junto à Praça Garibaldi, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, na segunda-feira. A reportagem da Rádio Guaíba ouviu outra testemunha do crime, que ainda não falou com a polícia. Ela detalhou a descrição do suspeito e as circunstâncias do crime.

Fonte: Rádio Guaíba

Gostou? Compartilhe