Selo do Inmetro será obrigatório para veículos movidos a GNV

Selo não onera cidadão e é fornecido gratuitamente pelo Inmetro após aprovada inspeção de segurança veicular

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Conselho Estadual de Trânsito (Cetran/RS) publicou, nessa terça-feira (4), a Resolução 124/2018, que regulamenta o uso do Selo Gás Natural Veicular (GNV) em veículos automotores. A medida torna obrigatório o porte do selo fornecido pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), atendendo à demanda de agentes que fiscalizam vias urbanas e rodovias estaduais. Durante as abordagens, eles não tinham como atestar a autenticidade dos dispositivos.

 

O presidente do Cetran/RS, Luiz Noé Souza Soares, destaca que a decisão não onera o cidadão. "O que está sendo pedido é que aquele selo fornecido gratuitamente pelo Inmetro após a aprovação técnica da inspeção de segurança veicular seja de porte obrigatório", ressalta.

 

Responsável por legislar sobre trânsito dentro da jurisdição estadual para resolver lacunas da lei federal, o Cetran/RS tomou a decisão após não conseguir incluir no certificado de registro e licenciamento de veículo (CRLV) as informações presentes no selo. "Devido ao número limitado de caracteres do CRLV, resolvemos publicar a resolução para facilitar a fiscalização, reduzir furtos e o comércio ilegal de botijões, evitando explosões e salvando vidas", explica o conselheiro e relator Liéverson Luiz Perin, da AGM (Associação Gaúcha Municipalista). 

 

"Com a falta do selo não conseguíamos verificar se o veículo havia sido vistoriado pelo Inmetro. Sou agente de trânsito da Prefeitura de Canoas e reunimos PRF, EPTC e mais 10 cidades, verificando que faltava base legal para uma fiscalização eficiente", acrescenta Leandro Rodrigues Machado, presidente do Sindicato dos Agentes de Trânsito do RS, responsável por normatizar a fiscalização.

 

Fique atento

A partir de agora, quem for flagrado sem o selo será enquadrado no artigo 232 do CTB (conduzir veículo sem os documentos de porte obrigatório). A penalidade é três pontos na carteiramulta de R$ 88,38 e retenção do veículo até apresentação do documento.

Quem estiver com o selo em discordância com o botijão será enquadrado no artigo 230, inciso 10, também do CTB. A penalidade é cinco pontos na carteiramulta de R$ 195,23 e retenção do veículo para regularização.

Gostou? Compartilhe