RS tem o menor "excesso de óbitos" do país durante a pandemia, de acordo com estudo

Entre 15 de março (primeiro registro de morte no Brasil por Covid-19) e 8 de agosto, houve 826 falecimentos acima do total esperado por diferentes causas no Estado

Por
· 1 min de leitura
Os dados integram uma etapa do levantamento organizado pelo Comitê de Dados do governo no enfrentamento da Covid-19 (Foto: Peter Ilicciev/Fiocruz)Os dados integram uma etapa do levantamento organizado pelo Comitê de Dados do governo no enfrentamento da Covid-19 (Foto: Peter Ilicciev/Fiocruz)
Os dados integram uma etapa do levantamento organizado pelo Comitê de Dados do governo no enfrentamento da Covid-19 (Foto: Peter Ilicciev/Fiocruz)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Rio Grande do Sul segue registrando o mais baixo percentual do chamado "excesso de óbitos". O número falecimentos por diferentes causas naturais além do esperado desde o início da pandemia alcançou 2,2%, quando no Brasil esse percentual é dez mais alto (22,4%).

Isso representa que, mesmo com as mais de 4.700 mortes provocadas pelo novo coronavírus, estima-se que o Estado teve 826 perdas além das esperadas para o período. Em termos nacionais, o excesso de óbitos ultrapassa os 118 mil casos.

Comparando aos demais Estados da Região Sul, Santa Catarina e Paraná têm números proporcionalmente três vezes maiores. O Estado do Amazonas está no topo, com um percentual de 74%. Em números absolutos, São Paulo aparece com a maior diferença entre óbitos projetados e observados desde fevereiro deste ano: 18.443 (15,1%).

Os números integram uma etapa do levantamento organizado pelo Comitê de Dados do governo no enfrentamento da Covid-19. O monitoramento resulta de uma parceria de técnicos do Departamento de Economia e Estatística (DEE/SPGG), Impulso e Vital Strategies.

Para a coordenadora do Comitê de Dados, Leany Lemos, o comportamento do "excesso de óbitos" no Estado evidencia que todo o esforço neste período alcançou resultados positivos. “No início da pandemia, o grande desafio era achatar a curva de novos casos da doença para que fosse possível avançar na estrutura de atendimento da saúde. Chegar no estágio atual e ver que nenhum paciente ficou sem atendimento em leito de UTI mostra que o Estado preservou vidas ao máximo diante da Covid e cuidou bem das demais doenças”, destacou Leany Lemos. Ela acrescentou que, durante a pandemia, o RS conseguiu dobrar a capacidade de leitos de UTI disponíveis via SUS.

Taxa Covid-19

Caso o RS reproduzisse aqui as mesmas taxas de mortalidade do país, o número de óbitos por Covid-19 estaria hoje ao redor 7.800 registros. O estudo aponta também que o Estado tem uma das menores relações entre o total de óbitos e a população acima de 50 anos e de 60 anos de idade, ficando atrás apenas de Minas Gerais. O RS tem percentualmente a população mais idosa do país.

Com 42 óbitos causadas pela Covid-19 a cada grupo de 100 mil habitantes, o RS vem apresentando um desempenho muito mais favorável do que importantes países europeus, como é o caso da Espanha (taxa de 67), Reino Unido (62), Itália (59) e França (49). O mesmo ocorre, conforme números apurados até o final de setembro, na comparação com o Chile (taxa de óbitos de 66 para cada 100 mil habitantes) e EUA (taxa de 62). Entre as nações selecionadas pelo estudo, o RS ficaria atrás de Argentina (35), Portugal (19), Alemanha (11) e China (8).

Gostou? Compartilhe