O que é preciso saber sobre as primeiras bandeiras pretas do Distanciamento Controlado

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Em vigor desde maio, o modelo de Distanciamento Controlado implantado pelo governo do RS funciona com as bandeiras nas cores amarela, laranja, vermelha e preta, que sinalizam semanalmente o risco das regiões do Estado: baixo (amarela), médio (laranja), alto (vermelha) e altíssimo (preta).

Nesta sexta-feira (11/12), as regiões de Bagé e de Pelotas, ambas na macrorregião Sul, foram classificadas como de risco altíssimo para o coronavírus no mapa preliminar da 32ª rodada, trazendo pela primeira vez a cor preta ao Estado.

Na prática, as regiões assim definidas estão com capacidade hospitalar crítica e grande número de casos e internações em leitos de UTI pela doença. A bandeira preta demanda cuidados ainda mais extremos – maiores do que os já adotados na bandeira vermelha (risco alto) e nas demais, de menor gravidade.

A bandeira preta, no entanto, não estabelece um lockdown. Implantado em outros países e em alguns Estados brasileiros, o lockdown é uma medida extremamente rigorosa, no qual as pessoas precisam de autorização para sair de casa e só podem fazê-lo para tarefas muito necessárias.

A intenção da bandeira preta do modelo de Distanciamento Controlado é instituir o alerta máximo e reforçar a necessidade de cumprimento dos protocolos e das regras sanitárias.

Caso o Gabinete de Crise mantenha a classificação em bandeira preta em Bagé e em Pelotas, as novas regras – mais rigorosas – serão válidas a partir de terça-feira (15/12).

Ambas as regiões – e também todas as outras 19, das quais 18 estão em bandeira vermelha e uma está em laranja – podem recorrer ao mapa preliminar até as 6h deste domingo (13/12).

Gostou? Compartilhe