Regiões em Alerta são orientadas a revisar planos de Ação

"Pedimos que as regiões revisem os planos e implementem medidas mais enérgicas e efetivas para que o cenário que estamos enfrentando possa ser revertido", disse o coordenador do Gabinete de Crise, Marcelo Alves

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

As regiões de Passo Fundo, Cachoeira do Sul, Cruz Alta, Ijuí, Santo Ângelo, Palmeira das Missões, Santa Rosa e Uruguaiana receberam Alertas na semana passada e apresentaram planos de Ação, com protocolos e medidas adaptados à situação epidemiológicas. Após análise, o GT Saúde e o GT Protocolos recomendaram a revisão dos planos enviados. As equipes técnicas consideram que as medidas propostas ainda podem ser aperfeiçoadas para melhor se adequarem ao momento de piora do cenário da pandemia de Covid-19 e, também, mais detalhadas, a fim de que seja possível fazer projeções.

As equipes técnicas do GT Saúde e do GT Protocolos e coordenadores dos comitês regionais de regiões Covid se reuniram pela primeira vez, nesta quinta-feira (27), por meio de videoconferência, para alinhar as medidas locais das regiões em Ação do Sistema 3As de Monitoramento. 

“Queremos construir esse diálogo e, por isso, vamos conversar com mais frequência com os coordenadores regionais, até para podermos entender o que está funcionando ou não. Por enquanto, pedimos que as regiões revisem os planos e implementem medidas mais enérgicas e efetivas para que o cenário que estamos enfrentando possa ser revertido. Queremos entrar em um entendimento e estamos juntos nisso, pois o sucesso de cada município é o sucesso de todo Estado”, explicou o coordenador do Gabinete de Crise, Marcelo Alves.

O Gabinete de Crise ainda definiu o envio hoje (28) de um ofício aos coordenadores dos comitês regionais com uma análise individual e sugestões que podem ser adotadas em cada uma das regiões. 

Protocolos e medidas mais rígidas podem ser adotados imediatamente a partir da notificação do Alerta. Isso significa que as regiões não precisam do aval do Estado, que avaliará os planos enviados e, caso conclua que as ações são insuficientes, entrará em contato com a região. Não há prazo para que a análise seja concluída.

Gostou? Compartilhe