Evo Morales é reeleito presidente da Bolívia com 47% dos votos

Brasil ainda não reconhece o resultado e a Organização dos Estados Americanos (OEA) e União Europeia defendem auditoria

Por
· 1 min de leitura
A votação para escolher o presidente da Bolívia foi realizada no último domingo (20)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Corte eleitoral da Bolívia anunciou, neste sábado (26), a reeleição de Evo Morales após apuração de 100% das urnas. O Brasil ainda não reconhece o resultado e a Organização dos Estados Americanos (OEA) e União Europeia defendem auditoria. O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) do país declarou estar à disposição para examinação do resultado. Evo foi declarado vencedor com 47% dos votos, após um processo eleitoral marcado por polêmicas. 

Evo teve 2.888.359 votos e venceu o opositor, Carlos Mesa, que teve 36,51% dos votos, o equivalente a 2.240.920 votos. Os votos em branco representaram 1,47% dos votos e, os nulos, 3,57%, como informou o TSE boliviano.

Pelas normas eleitorais bolivianas, um candidato vence a eleição no primeiro turno caso atinja a maioria absoluta ou caso consiga mais de 40% dos votos e, ao mesmo tempo, obtenha vantagem mínima de 10 pontos percentuais ao segundo colocado. Exatamente o que ocorreu nesta eleição.

A votação para escolher o presidente da Bolívia foi realizada no último domingo (20). Durante o processo de apuração, foram estabelecidos dois métodos de contagem dos votos. O primeiro, mais rápido, porém, preliminar. O segundo modelo era no voto a voto, mais demorado.

A confusão começou ainda no domingo, quando os dois métodos mostravam evolução de resultados diferentes. Enquanto a preliminar indicava a reeleição do presidente Evo Morales, a voto a voto apontava a disputa de um segundo turno de Morales contra Carlos Mesa.

A votação preliminar chegou a ser suspensa. O ministro das Comunicações, Manuel Canelas, admitiu que o órgão eleitoral errou ao não deixar claro que havia duas contagens paralelas. Já o vice-presidente do TSE, Antonio Costas, pediu demissão e, só neste sábado, cinco dias após o início das votações, o TSE confirmou a reeleição de Evo Morales. A posse será em 22 de janeiro de 2020.

Gostou? Compartilhe