Republicanos oficializam indicação de Trump à reeleição em convenção

O presidente americano deve aceitar a indicação na quinta-feira

Por
· 2 min de leitura
Trump falará em todas as noites da convenção (Foto: Isac Nóbrega/PR/Arquivo)Trump falará em todas as noites da convenção (Foto: Isac Nóbrega/PR/Arquivo)
Trump falará em todas as noites da convenção (Foto: Isac Nóbrega/PR/Arquivo)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Partido Republicano dos Estados Unidos endossou formalmente a reeleição do presidente Donald Trump no primeiro de quatro dias de uma convenção reduzida.

Trump obteve oficialmente os votos que precisará para pleitear a indicação do partido em Charlotte, na Carolina do Norte, onde correligionários estão se reunindo em meio a pandemia do novo coronavírus. que já matou mais de 176 mil norte-americanos, eliminou milhões de empregos e erodiu a reputação do presidente entre os eleitores.

Trump falará em todas as noites da festa, em parte virtual, em parte presencial, repleta de familiares, apesar de manifestantes estarem visando o local da convenção.

O evento contrasta com o dos democratas, que optaram por um formato inteiramente virtual para indicar o ex-vice-presidente Biden e sua colega de chapa, a senadora Kamala Harris. A mudança foi pensada para diminuir o risco de o vírus se disseminar durante a convenção.

"A escolha nesta eleição nunca foi mais clara, e as apostas nunca foram tão altas", disse o vice-presidente Mike Pence aos presentes no início da convenção republicana.

Biden, de 77 anos, está à frente de Trump, de 74 anos, nas pesquisas de opinião sobre a eleição de 3 de novembro. Biden e seus colegas democratas retrataram Trump como uma força das trevas, do caos e da incompetência e enfatizaram a diversidade e os valores de sua sigla, como "empatia" e "unidade".

Os republicanos disseram que a convenção oferecerá uma mensagem mais esperançosa, com ênfase em "lei e ordem", direitos de posse de armas, cortes de impostos e os homens e mulheres "esquecidos" da América.

O partido governista preferiu não votar no documento tradicional que detalha suas propostas políticas, dizendo que apoia o que Trump está fazendo. Já a campanha de Trump divulgou uma série de objetivos pontuais, incluindo a promessa de "criar 10 milhões de empregos novos em 10 meses".

Em outro contraste com o evento democrata, que contou com os três ex-presidentes democratas vivos e com antigos indicados, a convenção republicana não contará com discursos de ex-presidentes vivos ou candidatos.

Nem o ex-presidente George W. Bush, nem o ex-candidato presidencial republicano de 2012, Mitt Romney --que votou a favor do impeachment de Trump-- planejam falar. Também estarão ausentes vários colegas de sigla que enfrentarão eleições disputadas em novembro, como o senador Thom Tillis, da anfitriã Carolina do Norte.

Como a pandemia ainda não foi controlada, as boas notícias têm sido escassas para Trump e seu partido. Sua atuação presidencial foi criticada duramente por Biden e pelo ex-presidente Barack Obama na convenção democrata.

Trump planeja realizar vários eventos ao vivo com plateia durante a convenção republicana --um contraste com os democratas, que exibiram depoimentos pré-gravados ou fizeram discursos em locais quase vazios para evitar a disseminação do novo coronavírus.

De domingo (23) para segunda-feira (24), manifestantes e agentes da lei se chocaram pela terceira noite seguida perto do Centro de Convenções de Charlotte, e a polícia usou gás de pimenta contra a multidão.

Trump aceitará a indicação do partido na noite de quinta-feira diante de uma multidão no Gramado Sul da Casa Branca. Democratas criticaram a medida por vê-la como um uso partidário de propriedade pública.

Gostou? Compartilhe