A sensibilidade como fortaleza

Feminista assumida e com muito orgulho, esta advogada vê na igualdade a melhor condição para o ser humano

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A voz suave e a fala pausada contrastam com o olhar determinado e forte. Características que se complementam em uma mulher apaixonada pela família, pela advocacia e pelo engajamento feminista. Sim, feminista com toda a convicção. Estamos falando de Maiaja Franken de Freitas, uma mulher de 36 anos, mãe de Davi, de 5, e esposa de Rafael da Costa Weber. Os cabelos ruivos e o baton vermelho são marcas desta advogada que nasceu numa família tradicional do meio jurídico de Passo Fundo e que está fazendo carreira na advocacia.

Mas não foi sempre assim: quando precisou escolher a faculdade, na virada do século como ela lembra brincando, chegou a pensar em Comércio Exterior. O conselho do pai, José Mello de Freitas, pesou na hora da decisão e então ela optou pelo Direito na UPF. Formou-se em 2005. As experiências de estágio no Juizado Especial Civil e na Justiça Federal a inclinaram para a magistratura. Mudou-se para Porto Alegre para estudar e fazer concursos, onde permaneceu por três anos.

Um acidente que tirou a vida do então namorado a trouxe de volta para Passo Fundo, mas ainda com a determinação de seguir carreira de juíza. Chegou a prestar concurso e passou a repensar a carreira que havia escolhido.

A família, em especial a irmã Moara, também advogada, foi determinante para que ela optasse por advogar. Com escritório pronto, não poderia desperdiçar. “Tanta gente começa do zero e dá certo, porque eu perderia esta oportunidade”, refletiu.

Do sonho de ser juíza para a rotina de advogada na área cível, a adptação foi construída com o tempo. Maiaja analisa hoje que precisava compreender melhor este papel. Foi das conversas francas que sempre teve com o pai que o conceito de advocacia foi mudando. “Meu pai disse, filha, você tem que pedir. Advogado pede. Quem tem que dar ou não é o juiz”, lembra;

Não foi uma tarefa fácil, diz Maiaja, considerando que da metade da Faculdade em diante, ela estava condicionada a ir para a magistratura.

“Hoje é claro que minha compreensão é outra. Qualquer cidadão que se ver numa situação que pode ser judicializada precisa de um advogado. E, nós, defendemos a verdade que é do cliente. O trabalhador ou a empresa sempre vão achar que tem direito ou agem corretamente. E quem vai defender as verdades individuais é o advogado, submetendo esta verdade a apreciação de um juiz”, analisa.

Maiaja lembra que o professor de ética na faculdade foi justamente o pai Zeca Freitas e que ele dizia que a ética do advogado vai se pautar muito pela verdade do cliente que vai defender. “Eu não sou juíza, sou uma pessoa parcial nesta relação jurídica”, avalia, reafirmando que é uma apaixonada pelo que faz e que adora fazer audiências.

O feminismo como engajamento

A política está na sua essência. Lembra com carinho do tio João Freitas (in memoriam) que em 1964 foi preso pelo Regime Militar. Para dar vazão a esta a esta inquietação, ela decidiu se engajar no feminismo. “Vivemos num mundo polarizado e de radicalismos que fazem o medo prevalecer. Não me manifesto sobre vários temas porque isso pode gerar uma interpretação errada de acharem que a forma como eu penso pode influenciar meu trabalho, o que não é uma verdade”, diz.

O feminismo para Maiaja, implica na igualdade independentemente de gênero. Membro da Comissão da Mulher Advogada da OAB Estadual e coordenadora do grupo em Passo Fundo, Maiaja tem participado de várias ações na defesa dos direitos e das lutas das mulheres. Ela acredita que a conquista desta igualdade tem muito caminho pela frente e começa de forma individual, quando educamos nossos filhos para um mundo mais igual. Lembra que, nos últimos 50 anos, as mulheres passaram a ter outra educação com foco na formação, na independência e conquista profissional. A mesma evolução não é verificada na educação dos meninos. Como mãe do Davi, de 5 anos e meio, Maiaja diz que procura demonstrar que o mundo não pode ser feito de preconceitos e desigualdade . “Os meninos também podem abraçar outros meninos, podem chorar e podem brincar com qualquer brinquedo, porque brinquedo é brinquedo.

Depoimento feminista

"Embora o feminismo tenha sido 'silenciado' em mim por algum tempo, na medida em que me formei quando a Lei Maria da Penha sequer existia (risos), ele sempre esteve presente de alguma forte. Cresci e fui criada por uma mulher serena, linda, e apesar da feição frágil, extremamente forte! Minha mãe Jacira era funcionária da Prefeitura, não fazia corpo mole e sempre teve extrema preocupação com o trabalho, valor que passou para nós. Mas, também, nunca deixou de olhar para as filhas, para a mãe, para a família...Sem deixar de ser linda! Após a separação, passou um baque, mas se levantou...Sacudiu a poeira e deu a volta por cima...Sempre nos passou o valor do estudo. Não nos "preparou" para casar. Nos preparou para sermos profissionais, sem descuidar da família. Embora tenha sido uma mãe bem para frente, confesso que só aprendi a ser mãe (uma coisa que eu nunca pensei, até casar, (risos) outra coisa que eu nunca tinha pensado, até conhecer o Rafael), quando a minha mãe se tornou avó.

Há dois anos ela luta contra um câncer, que vai e vem....Se você conversar com ela, ela dirá que está bem, e não tem nada...Então, essa mulher, que era feminista sem saber ou sem querer, me ajudou a formar a mulher que sou hoje, à qual sou muito grata.

Nós mulheres precisamos entender que o feminismo somente triunfará sobre a atual cultura da desigualdade, se nós também apoiarmos umas às outras, independente das circunstâncias. Enquanto precisamos educar nossos filhos meninos, os valores da empatia, do amor e da igualdade, às meninas é fundamental passar a cultura da sororidade, e abolir a cultura da 'competição' que temos ainda hoje.

Talvez você que esteja lendo isso pode achar um "saco"...mas é preciso que as mulheres comuns, como eu, minha mãe, talvez, você, sua mãe ou sua avó, entendam que cada uma tem uma história especial, e que você não precisa muito para ser feminista, basta amor e igualdade no coração, tendo ciência e defendendo quem és!"

Lições

A defesa pela verdade, a constante busca pela ampliação do conhecimento, a gratidão e a humildade, são lições que Maiaja carrega e procura compartilhar com outras pessoas. A dedicação integral ao trabalho não interfere na dedicação que tem com a família, onde estão incluídos os irmãos e a mãe Jacira Elisabeth Franken de Freitas com quem tem uma ligação muito grande. E, como toda a mulher, Maiaja cumpre com maestria as multiplas jornadas do seus dias sem perder a delicadeza de uma mulher forte.

Gostou? Compartilhe