Tratamentos naturais oferecem força extra na transição capilar

Tendência, as técnicas ?EURoebaixo shampoo?EUR? e ?EURoesem shampoo?EUR? prometem realçar a beleza dos fios com menos química

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando se trata de cuidados com a beleza, os cabelos são imbatíveis. Agora, já imaginou realçar essa beleza limitando ou, até mesmo, descartando totalmente o uso de shampoo? Pode parecer estranho, mas essa técnica originada nos Estados Unidos há alguns anos tem feito, literalmente, a cabeça das brasileiras que buscam fios mais fortes e sedosos.

Focados no cuidado mais natural possível, os métodos “sem shampoo” ou “baixo shampoo” (adaptados do inglês “low poo” e “no poo”) restringem o uso de determinadas fórmulas, mas está longe de ser simplesmente uma alternativa “natureba”. De acordo com especialistas, abandonar o uso de certos componentes químicos pode, de fato, beneficiar a beleza, realçando e recuperando a estrutura original dos fios. Em tempos em que a “transição capilar” está em alta, a técnica atrai não só as cacheadas, mas também milhares de mulheres que querem seguir uma rotina mais leve de cuidados.

De olho na espuma

Se você está acostumado a ver muita espuma na hora de lavar os cabelos, fique alerta: esse pode ser um indício de que não é só a sujeira dos fios que está indo pelo ralo durante o banho. Junto com as indesejadas impurezas, você também pode estar retirando propriedades essenciais à saúde dos fios. Isso porque a espuma em abundância é um dos sinais de que o shampoo é rico em lauril sulfato de sódio – um dos muitos componentes químicos presentes em shampoos convencionais capazes de agredir a estrutura capilar. De acordo com a especialista em dermatologia, Maria Clara Couto, esses detergentes, embora muito eficazes na remoção da sujeira, acabam prejudicando a saúde dos cabelos. “Os chamados “sulfatos fortes” removem, além da sujeira, a hidratação natural e outras características protetoras dos fios. É por isso que, após a lavagem com os shampoos convencionais, o cabelo fica instantaneamente ressecado, exigindo o uso de condicionadores; produtos que, por sua vez, criam uma espécie de maquiagem capilar, usando silicones e parafinas para mascarar o dano que os sulfatos provocaram”. De acordo com a médica, os métodos de limpeza mais naturais surgiram, justamente, para quebrar esse “círculo vicioso” e devolver a saúde genuína dos fios.

Felizmente, de olho nessa demanda, o mercado convencional já disponibiliza produtos específicos, tanto sem sulfatos fortes, como sem silicones e parafinas, geralmente classificados como “baixo em sulfato” ou “sem silicones e óleos minerais” já no rótulo. E, para facilitar ainda mais, existe um nicho que se enquadra, por natureza, nos “mandamentos” dessa tendência: os orgânicos. Por priorizar matérias primas naturais e, principalmente, fórmulas livres de componentes químicos agressivos, essa classe de produtos tem ganhado força no mercado como alternativa segura para as adeptas.

Lavar sem shampoo?

Baseados nessa premissa, duas técnicas têm feito muito sucesso: uma rotina de limpeza que usa pouco shampoo ou abre, totalmente, mão do produto. “Na realidade, o método nada mais é do que fazer uso de produtos que não contenham sulfatos fortes, mas sim agentes de limpeza menos agressivos, que preservam a hidratação natural dos cabelos. Já para a técnica “sem shampoo”, a higienização é feita com produtos livres de sulfatos e também de silicones insolúveis em água. Ambas as técnicas são totalmente eficazes do ponto de vista da higienização e ainda possibilitam que o próprio organismo produza a hidratação adequada para as madeixas“.

Fonte: Use Orgânico

Gostou? Compartilhe