Luciana Reginato: o amor à medicina

Da Santa Casa a Clínica Contour: conheça a história da médica que escolheu Passo Fundo para viver

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

“Eu sempre quis ser médica, nunca tive dúvida, não me lembro de querer ser outra coisa”, assim Luciana Reginato, começa a contar a sua história. A oftalmologista conta que a única dúvida que teve durante o curso de medicina foi escolher qual especialidade seguir.

Natural de Marau, a médica morou na cidade até os oito anos. Logo após, foi para Ciríaco, cidade onde os pais dela nasceram e lá ficou até os 18 anos. “ Ainda com 18, eu me mudei para Porto Alegre, com meu irmão, ele foi para fazer residência e eu para fazer cursinho. Fiz três anos de cursinho para poder passar em uma universidade Federal”.

Luciana passou no vestibular da UFCSPA (Universidade Federal de Ciências de Saúde de Porto Alegre) e fez a residência no Hospital Santa Casa. No hospital, permaneceu por mais de 10 anos, atendendo pacientes, operando mais de 600 pessoas e aprendendo mais sobre a especialidade que ama.  “São três anos de residência, mas fiz um quarto ano de especialização em transplante de córnea”. A médica também foi preceptora dos residentes na Santa Casa.

A oftalmologia na vida de Luciana apareceu como um amor à primeira vista. “Sempre me apaixonei por todas as especialidades que fiz durante o curso, eu amava cada matéria que fazia e dizia que iria seguir aquela, mas no sexto ano quando tive contato com a oftalmologia, quando vi as cirurgias achei aquilo genial”, diz.  Para ela, a especialidade é resolutiva. “A cirurgia em si rápida, muda a vida das pessoas, eu lido com os pacientes felizes e isso é muito gratificante, eu definitivamente amo o que faço”.

Por causa da medicina, conheceu o marido. “Nos conhecemos no cursinho e ele passou para o vestibular da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e eu para a UFCSPA, na verdade o meu sonho era a UFRGS e o dele a ‘fundação’, e concluímos a faculdade no mesmo ano, mas ele seguiu pelo caminho das anestesias”, relembra. A médica ainda conta  que não poderia ter escolhido universidade melhor para cursar e que, no final das contas, a melhor opção de estudos para ambos aconteceu.

Mudança para o interior

A médica permaneceu em Porto Alegre e atuando no Santa Casa até março de 2016, quando ela e o marido resolveram trocar de cidade. Vieram para Passo Fundo em busca de mais qualidade de vida e Luciana já pensava em ter o próprio consultório “Eu sabia que as coisas iriam funcionar melhor quando se é dono do próprio negócio, eu queria ser responsável pelas minhas próprias escolhas profissionais. Tem a parte boa de se trabalhar em um hospital grande, sempre tem apoio, alguém para ajudar, um suporte muito grande e no consultório é basicamente sozinho, mas não é totalmente, sempre tem contato com professores e outros médicos”. 

A Clínica

Atualmente, a médica atua na Clínica Contour, clínica que reúne diversas especialidades, dentre elas a dermatologia, endocrinologia e ginecologia e que recentemente abriu os trabalhos em Passo Fundo. “A ideia da clínica surgiu do Rafael, cirurgião plástico e a ideia é de que uma clínica é mais interessante que um consultório, ela também te dá um suporte, para paciente é muito bom, une as especialidades”, comenta. 

Ela ainda acrescenta que, na área dela, quase nunca é só a questão do olho. “Às vezes tenho pacientes que são diabéticos, então preciso do suporte de um endócrino ou de um nutricionista, então a ideia da clínica foi essa, não é um hospital, pois aí é uma outra visão e aqui conseguimos acolher mais o paciente,  vê-lo como um todo”.

Memória Afetiva

Medicina é dedicação. O carinho e atenção que a profissional dedica a seus pacientes, a compreensão de suas peculiaridades, seus anseios e suas alegrias  são compartilhados  e promovem a ligação afetiva. O que faz a beleza da profissão.  “Às vezes os pacientes não imaginam o quanto fico ansiosa, na expectativa por uma cirurgia, até mais do que eles as vezes, pois sabemos a complexidade do procedimento é a responsabilidade é muito grande”.

A médica ainda comenta que é uma grande alegria quando eles retornam para contar: ‘Doutora, cheguei em casa e vi meu marido! ’ Ou ainda: ‘Doutora, a mãe chegou em casa e não gostou da pintura da casa, das flores no jardim’. Elas antes não enxergavam e quando vão para casa, sem o curativo, já conseguem ver tudo, é muito gostoso isso. Às vezes os pacientes trazem algum presente, mas não tem nada mais gratificante do que isso, ver o paciente feliz é muito bom”, finaliza.

Gostou? Compartilhe