Conjuntura política em pauta

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Prestes há completar 97 anos a Federação das Entidades Empresariais do RS (Federasul) agrega mais de 150 entidades filiada, dentre as quais a Accias, Accie, Acit e Acisa, de Getúlio Vargas, Erechim, Tapejara, e Passo Fundo, respectivamente. No site institucional a entidade presidida por Simone Leite, e que reúne todos os setores da economia, destaque para a ética, lucro, liberdade, livre concorrência, direito a propriedade, entre seus princípios e valores. Dentre suas bandeiras a nível federal a reforma tributária, trabalhista, previdenciária, política e fiscal. E no âmbito estadual transparência tributária, combate a informalidade e a pirataria, revisão e redução da matriz tributária.

I I

O tradicional Tá na Mesa, reunião-almoço realizado pela Federasul desde 1993, é um espaço de reflexão e debates. Em virtude das medidas de contenção a Covid-19 a entidade instalada no Centro Histórico de Porto Alegre realizou ao meio-dia de quarta-feira (27) através das suas plataformas on-line o Tá na Mesa com o tema Brasil 2020: Quadro Político e Desafio. Mediado pela presidente anfitriã os convidados Fernando Schuler, do Inper/SP, e Carlos Pereira, da FGV/RJ, falaram durante 90 minutos para cerca de 800 pessoas. Em abril a reunião-almoço da Federasul recebeu Rodrigo Constantino, presidente do Conselho do Instituto Liberal, que entre outros defendeu a flexibilização das normas de distanciamento social.

I I I

Filósofo, ex. Secretario de Estado da Justiça no governo Yeda Crusius (PSDB), Fernando Schuler ponderou sobre a conjuntura política: “Diretrizes conservadoras contribuíram para que Bolsonaro se fragilizasse. Falta de diálogo com Poderes e de uma política de coalizão, a fim de aprovar as reformas necessárias, caiu por terra”. E sentenciou: “Deixar o Congresso ser protagonista durante a pandemia, só demonstra a necessidade da formação de um governo de coalizão, que facilita a vida do Poder Executivo, lhe proporcionando capacidade de governar”. Ao responder a Simone Leite sobre o próximo semestre, Schuler disse acreditar que em meados de setembro, já haja uma estabilização e protocolos mais claros.

I V

A presidente da Federasul indagou sobre o cenário de 2022, quando serão realizadas as eleições gerais. Carlos Pereira, que é cientista político respondeu que Bolsonaro ainda será competitivo, porém não terá um “terreno fértil”, como em 2018. Segundo ele “Moro e Dória preenchem aquele núcleo de eleitores que não querem nem o PT e nem Bolsonaro”. O professor da Fundação Getúlio Vargas afirmou que governo de coalizão, na visão de Jair Bolsonaro e seus correligionários, significa corrupção. Ele advertiu que o presidente precisa mudar o perfil. E concluiu “A mudança pode ocorrer se uma coalizão, com o intuito de lhe permitir governabilidade, se formar. Porém se for algo episódico, o jeitão dele permanecerá o mesmo”.

Curtas:

# Uma semana após os vereadores de Getúlio Vargas aprovar por unanimidade o pedido para a realização de um debate interno acerca das consequências do asfaltamento do trecho da Transbrasiliana o assunto volta a repercutir.

# A casa legislativa presidida pelo vereador Pastor Domingo (PP) ainda não anunciou a date para o debate solicitado pela colega vereadora Cleonice Forlin (MDB).

# Um manifesto intitulado “Rodovia Desnecessária”, contrário às obras de asfaltamento dos 68,4 Km entre Erechim e Passo Fundo, está sendo distribuído.

# Ilustrado com a Bandeira Nacional, o impresso aponta que a demanda atende “interesses políticos e econômicos, buscando projeção pessoal com fins eleitoreiros”, entre outros.

# Identificado como sendo o pensamento de empregados e empregadores estabelecidos junto a RS-135, o manifesto sugere que uma 3ª pista seja feita entre Erechim e Passo Fundo.

# E ainda, que a estrada entre Charrua e Sananduva seja asfaltada para o fortalecimento da economia regional.

# Integrante do Comitê Executivo Pró-Conclusão da BR-153, o prefeito Mário Luís Ceron (PTB), de Ipiranga do Sul, refutou os argumentos e termos utilizados.

# Disse ser inadmissível que em pleno século XXI interesses escusos busquem suplantar tal iniciativa, que além de melhorar a logística, irá reduzir acidentes e custos.

# Em 2016 o comitê, com o apoio da Amau e Ampla, receberam a adesão de mais de 20.000 pessoas em prol do asfaltamento do trecho que liga as duas maiores cidades do Norte do RS.

# Formado pelos Coredes da Produção e Norte, juntamente com a UPF e URI, o comitê vem trabalhando pela demanda desde 2015.

# No último dia 22 de abril a empresa que venceu a licitação feita pelo Denit iniciou o projeto técnico para a realização das obras.

# Lançado em setembro de 2019 o edital prevê que o valor estimado será de R$ 248 milhões, construída em pista simples e com acostamento em ambos os sentidos.

Dito & Feito:

 O Departamento de Biodiversidade, órgão vinculado à Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura do RS, autorizou a retirada da vegetação de um terreno localizado às margens da RS 135, em Erechim. A licença ambiental aguardava liberação desde o ano passado e foi concedida nesta semana, após pedido reiterado pelo deputado Paparico Bacchi (PR). No local serão edificadas as novas instalações da Brastelha Industrial. 

Gostou? Compartilhe