OPINIÃO

Fazer a diferença

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Devemos valorizar quem faz a diferença na vida das pessoas e quando faz na vida de uma comunidade então é de destacarmos com letras maiúsculas. Professora Helena Vargas, foi Vice-diretora da Escola Arcoverde no grande Bairro Petrópolis e junto com a Diretora Clarice Pilatti fez a diferença e com uma equipe coesa construíram o progresso daquele educandário. Helena brilha os olhos quando fala dos alunos, colegas e conquistas. 

Helena

Helena, nome de mulher forte e de uma mulher rica, muito rica e talvez umas das mulheres mais ricas da nossa cidade. Professora de profissão ensinou muito, esposa do nosso saudoso Nelson Vargas e mãe de filhos que dispensam cuidados e acima de tudo orgulham a matriarca da família. Mãe da médica Glaucia e do empresário Gilvan, avó de Pedro e Julia. Vida que vale a pena a gente destacar. 

Escola 

Na escola as conquistas foram muitas, desde prédio novo a consolidação do ensino médio. Tempos bons, em que ir a Porto Alegre, na Capital, era uma agenda extraordinária e lá estavam as lideranças da Escola Arcoverde, levando na bolsa um sanduíche e muitas esperanças. 

Helena Vargas, elegante e boa memória, destaca que naquela época um Engenheiro da CINTIA ofereceu uma máquina para fazer uma terraplanagem da Escola, Fernando Machado Carrion, e que mais tarde se tornaria Prefeito de Passo Fundo. 

Mundo pequeno

Eu logo que conversei com Helena, me apaixonei pelo entusiasmo e história de vida desta mulher, e me surpreendi ainda mais quando descobri que viajamos muitas vezes para o nosso querido Paraguai. Isto mesmo, no comando o Nelson Vargas, parceiro de tradicionalismo do meu grande amigo Neri Vieira. Nelsinho e Helena organizavam as viagens para o Paraguai e como são boas às lembranças com minha saudosa amiga Clélia Martins Pinto. Mundo anda e o tempo passa e aquele motorista simpático é pai e avô de amigos que admiro e tenho gratidão, Gilvan e seu filho Pedro. Parabéns pela família Vargas que destaco como pessoas que fazem através de gerações. 

Oncologia Infantil

No debate em setembro de 2019, tivemos a palestra do médico e Diretor do Hospital Pequeno Príncipe de Curitiba, Dr. Bonald Cavalcanti. Nesta oportunidade, o comando deste debate esteve com o Dr. Pablo Santiago, Médico Pediatra da oncologia do HSVP e avançamos na discussão do rastreamento em recém-nascidos da mutação P-53, que pode colaborar para o aparecimento de câncer nas crianças e também em familiares. Este debate se faz importante e, por isto, o teste no pezinho da mutação avança em Passo Fundo e também com grandes possibilidades de se fazer no Estado. Em nossa cidade nascem 2.800 crianças por ano e no Estado são 135 mil, que podemos monitorar e possibilitar, se for positivo o aparecimento do câncer no passar dos anos, tratar precocemente. Destaco aqui o nome de Luziane Fabiani, pesquisadora do HSVP e ainda da Médica Simone Castro, do Hospital Infantil Presidente Vargas, de Porto Alegre. Muitas mãos determinadas nesta política pública. 

Oncologia Infantil II

Para avançar, a política boa, séria e de compromissos se faz necessária. O Prefeito Luciano Azevedo autorizou a sua Procuradoria analisar a possibilidade do município de Passo Fundo ser o primeiro a fazer o rastreamento da mutação nas crianças recém-nascidas e Beto Albuquerque, Presidente do Instituto Pietro, avança nas conversas com o Estado para ampliar o debate desta ação. Destaco aqui, que o centro de oncologia Infanto- Juvenil no HSVP foi construído com emenda parlamentar de Beto e a Escola da Vida construída para dar aulas às crianças com a decisão firme do Prefeito Luciano Azevedo. Acredito em quem faz, se compromete e trabalha com políticas emancipatórias. Diálogo sempre. 

Gostou? Compartilhe