OPINIÃO

A perfect world

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Volver a los 17 eternizou Mercedes Sosa e já tínhamos Leo Sayer e Joan Baez, já tínhamos Taiguara. Queríamos salvar o mundo e era fácil fazê-lo. Sua paz mundial era a inspiração e estava na coleção de vinis de Eduardo Azambuja. Primeiro a paz; depois o equilíbrio social, libertar o homem de suas amarras, despertar o super-homem que ele pode ser, livra-lo de suas escravizações, incluindo a escravização da fé. As referências batiam no cabeludo bonito que usava a boina preta; ele descera das montanhas para salvar Cuba do capitalismo selvagem e agora sim, seu povo era feliz; mais que isso, usando frase de Chico Buarque “a gente era obrigado a ser feliz” – João e Maria, que ele cantou em Passo Fundo ao fazer seu pit-stop e receber o prêmio Zaffari da Jornada de Literatura em 2005, pelo romance Budapeste.

Segundo Sergio Buarque, pai de Chico, no clássico Raízes do Brasil, o brasileiro é cordial, no sentido de usar o coração mais que a razão. Temos, através de boa parte da imprensa, uma condescendência alucinante pelo bandido. Marisa Raja Gabaglia, jornalista falecida em 2003, escreveu Meu Amor Bandido, contando a história de Hosmany Ramos que era cirurgião plástico e meliante; Lucio Flavio eternizou nas telas em 1977 o livro de José Louzeiro; Ronald Biggs, assaltante do trem pagador em 1963 na Inglaterra, fugiu e veio morar no Brasil até 2000, tendo sido jurado de Chacrinha. Recentemente Cesare Battisti, assassino italiano, foi condenado em seu país de origem à prisão perpétua, enquanto que os advogados Tarso Genro e Luis Roberto Barroso, sim, esse do STF, lutavam bravamente pelos seus direitos humanos. 

Boa parte da imprensa é condescendente como o criminoso; acha que há por trás de seus atos uma injustiça social. Por isso, estabelece uma hegemonia de narrativa explicitando o que levou ao desvio de conduta; além disso, compadece-se e cria empatia com o meliante. Segundo alguns, por ser pobre, por ser favelado, por ser abandonado, por ser negro, por tudo isso, tornou-se marginal e é, portanto, um injustiçado que merece cotas de acessos a tudo para que a sociedade que o oprimiu devolva a dignidade que a vida negou. Bacana, não? Eu deveria me candidatar a alguma coisa, pela esquerda, obviamente.

Ludwig Von Mises, economista e filósofo, trabalhou a praxeologia que estuda ações escolhas humanas e desmonta o pensamento da injustiça social como justificativa para os delitos. De fato, mais de 95% dos pobres são honrados e trabalhadores. Segundo Mises, desvios devem-se à falta de hombridade, à falta de caráter e os maiores assaltantes do país não são favelados e a vida economicamente lhes é favorável. Eles usam black-tie, tem carrões, mulheres bonitas e adoram circunstancialmente abraçar o povo e beijar criancinhas e velhos. No mundo perfeito (a perfect world) deveríamos ser sempre adolescentes, sem ilusões, nos tempos em que as gatinhas gostavam da gente pelo que a gente era e não pelo que a gente poderia vir a ser.

Gostou? Compartilhe