OPINIÃO

O legado da pandemia para a construção civil

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A pandemia ligou vários sinais de alerta sobre a forma com que levávamos as nossas vidas até então. A iminência constante de contaminação pelo novo Coronavírus nos deixou mais cautelosos, limitou nossa convivência social e consequentemente tem provocado profundas mudanças em nossos hábitos e preferências individuais. Mudanças essas que devem ser absorvidas rapidamente pelo mercado da construção civil, seja mudando o perfil dos produtos ou incluindo novas soluções. 

Uma pesquisa realizada pela Molegolar com apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e outras entidades do segmento, mostra que 28% dos entrevistados pretendem mudar de imóvel, a maioria para um imóvel maior. O home office foi apontado na pesquisa como um dos espaços que mais fizeram falta durante a pandemia e deve ser um dos itens decisivos para a escolha do próximo imóvel. Isso porque as medidas de restrição adotadas pela maior parte dos estados fez com que profissionais e empresas de várias áreas da economia pudessem experimentar a eficácia do trabalho remoto e até mesmo adotar o modelo de forma permanente. Dos entrevistados, 54% deverá seguir em home office, mesmo que de forma parcial, demandando de 1 a 2 postos de trabalho por imóvel.  

Espaço para a prática de exercícios físicos já é uma realidade na maioria dos novos empreendimentos, mas também é uma preferência que deve se fortalecer após a pandemia. A maioria dos entrevistados (58%) revelou ter preferência por espaços específicos nas áreas de uso comum do condomínio para a prática de atividades aeróbicas, de musculação ou funcionais. Interessante notar que se tivessem que reduzir alguns ambientes para que isso fosse possível, a maioria reduziria áreas sociais como salão de festas, por exemplo.

Além disso, a atual movimentação do mercado imobiliário, já sinaliza um novo perfil de imóveis preferido pelos consumidores. A busca por imóveis mais amplos, com sacada, bem arejados e com vista ampla deve moldar os próximos lançamentos justamente por contribuírem para uma melhor qualidade de vida dos moradores. Ao que parece, quanto melhor o empreendimento, maior será a exigência do público por essas características.

Outros diferenciais ainda pouco explorados pelo mercado imobiliário devem ser melhor observados pelas construtoras para sanar as novas necessidades do pós-pandemia. Soluções voltadas, por exemplo, a melhorar experiências popularizadas pela pandemia, como é o caso do delivery de refeições que aumentou a demanda em 250%. Para facilitar a entrega sem contato físico, os novos empreendimentos devem contar com espaços térmicos individuais, específicos para o armazenamento de alimentos quentes ou frios. Outra solução que deve ser incorporada em breve para facilitar a entrega de encomendas são os droneports, pistas exclusivas para o pouso de drones. Essa é uma tendência que está mais próxima do que parece. Há poucas semanas a Anac (Agência Nacional Aviação Civil) autorizou o iFood a realizar testes de entregas de comida por meio de drones. Um passo bem grande que deve transformar a nossa experiência de consumo. 

Olhar para essas mudanças como grandes oportunidades é a maior responsabilidade das empresas que atuam no ramo da construção civil. Ao incorporar soluções modernas e criativas aos projetos, não só estarão adequando os empreendimentos às novas demandas dos consumidores como também estarão contribuindo para uma nova realidade que tem tudo para ficar. 


Gostou? Compartilhe