OPINIÃO

DESSERVIÇO AO CONSUMIDOR

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Qual é o verdadeiro preço ou custo de um produto barato ou falsificado? As duras consequências das propagandas enganosas e da criminosa negligência de determinadas fabricantes de produtos coloca em risco a saúde, segurança e vida dos consumidores. Com o objetivo de servir de alerta para os consumidores, a Netflix disponibiliza no seu canal uma série documental chamada “Desserviço ao Consumidor”. São quatro episódios na primeira temporada. O primeiro aborda como influencers digitais induzem e estimulam as mulheres a comprar produtos falsificados com conteúdos duvidosos e perigosos, incluindo bactérias e substâncias tóxicas como o arsênico. Muitas substâncias podem acelerar processos cancerígenos. O nome deste episódio é “Mundo dos Cosméticos”. Na sequência, a série trata da “Febre do vape”, que é sobre o cigarro eletrônico e como a indústria do tabaco, por meio de um marketing forte e convincente está conquistando adolescentes. O terceiro episódio descreve os riscos de se comprar peças de mobiliários baratas e frágeis, sujeitas a produzir acidentes domésticos, que podem até matar. Normalmente, essas empresas divulgam a comercialização de produtos sustentáveis, mas isso é só uma fachada, porque o resto da cadeia produtiva é altamente prejudicial ao meio ambiente. E, por fim, “Desserviço ao Consumidor” revela no último episódio a “Farsa da reciclagem”, que narra o destino de embalagens de plástico usadas por grandes empresas do mundo e vendidas como recicláveis e que vão parar em aterros ou em praias do Sudeste Asiático.

BARATA NO SUCO

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma empresa a indenizar uma consumidora que ingeriu um suco em lata que continha uma barata no interior. A indenização de dano moral foi fixada em R$ 5 mil. Nesses casos, a condenação decorre da responsabilidade pelo denominado “fato de produto”, conforme o Código de Defesa do Consumidor. O fornecedor tem o dever de responder pelos prejuízos causados por esse tipo de acidente e óbvio, não poderia ser diferente, a ingestão de alimento com corpo estranho consiste em circunstância apta a caracterizar dano moral.

SPC E SERASA NA PANDEMIA

De autoria dos deputados Denis Bezerra (PSB-CE) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG), o Senado aprovou em sessão virtual com 72 votos favoráveis e 4 votos contrários, o projeto de lei que proíbe a inscrição de pessoas no Serasa e SPC no período da pandemia do Covid-19. A regra valerá de forma retroativa desde 20 de março, quando foi decretado o estado de calamidade pública causada pela pandemia, e se estenderá até 31 de dezembro. Como o projeto recebeu algumas emendas, a matéria voltará para a Câmara dos Deputados, para uma última votação. A proposta ainda estabelece a suspensão de todas as execuções judiciais cíveis propostas contra consumidores por obrigações vencidas a partir 1º de janeiro de 2020.

Gostou? Compartilhe