OPINIÃO

O nascimento do leitor

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando Roland Barthes (1915-1980), em ensaio antológico de 1968, vaticinou a morte do autor, há quem entenda, não sem controvérsias, que, ao mesmo tempo, ele decretou o nascimento do leitor. Barthes foi taxativo ao concluir: “o nascimento do leitor tem de pagar-se com a morte do autor”. Então autor morto, leitor posto. Não! A questão não é tão simples assim e nem prescinde de uma argumentação teórica um pouco mais robusta para ser respondida.

Entender Barthes e seu ensaio “A morte do autor”, exige retroceder mais além das contestações de quase tudo dos anos 1960, de Paris e as manifestações de 1968. Requer compreensão que a valoração autoral, travestida de prestígio pessoal, se não começou no Renascimento, ganhou força com a valorização dos artistas que fizeram as famosas obras daquele período e atingiria o ápice com o positivismo, no final do século XIX e começo do século XX. Na atualidade, apesar de Roland Barthes, o autor ainda reina absoluto nos manuais de história da literatura de cunho positivista, nas biografias de escritores, nas entrevistas nos espaços dedicados à literatura nos veículos de comunicação e no imaginário dos fãs. Não obstante a relevância de um texto não residir na sua origem (o autor), mas sim no seu destino (o leitor).

Tirar o autor do altar foi o que intentou Roland Barthes. Se conseguiu ou não, é outra coisa, mas valeu a intenção de colocar o leitor no lugar merecido nesse pedestal. Em todos os sentidos, para Barthes, é a linguagem que fala e não o autor; é a linguagem que atua e não o Eu do autor. A ponto de questionar de quem é a voz que fala no texto. A escrita (o texto) significa a destruição de quem escreve. Não é que Barthes negue a existência do autor como ente físico (o homem), mas rejeita a relevância do autor para a interpretação dos signos da linguagem. Apagou a figura do autor em proveito do escritor, que morre ou encerra seu papel quando o texto é posto em circulação. É o leitor, essa nova figura que surge com a morte do autor, que vai dar a um texto as suas múltiplas significações.

Sob a égide do paradigma hermenêutico se busca explicar as idiossincrasias de uma obra em função do homem/autor (das suas peculiaridades pessoais, dos seus pensamentos, dos seus sentimentos, da sua ideologia políticas e também das suas circunstâncias pessoais). A crítica de Barthes recai em refutar os aspectos dogmáticos, dando sentido à morte do autor como morte do sujeito, que rivaliza com a morte de Deus (no sentido sociológico) proclamada por Nietzsche. Uma tendência que teve sequência com os chamados pensadores pós-modernos e suas teses desconstrucionistas, que buscavam desbancar o autor em proveito do leitor. 

A negação do autor, ainda que seja legitima como opção ideológica ou estética, é algo indefensável epistemologicamente. Talvez seja hora de reabilitar a figura do autor, reinterpretando o seu papel, buscando recolocá-lo no mesmo plano teórico que o leitor. Inegavelmente, em qualquer texto literário, o autor está implicado. E essa implicação vai desde o estilo, que torna inerente a autoria ao texto. Ainda que esse autor implicado ou implícito seja diferente do autor genético, bem ao estilo criador e criatura. 

São muitos os entendimentos de autor. Desde o autor efetivo, aquele que faz (que pode ser diferente do homem e do escritor), que se transmuta no texto enquanto cria, projetando-se nele de forma indireta e implícita (o autor implicado) ou de maneira direta e explícita (o autor representado), passando pelos homólogos de escritor e artista, que dão forma a uma imagem de autor (o autor intuído) até o autor propriamente construído a partir de textos que circulam sobre ele (o autor socializado). 

Roland Barthes também criou a noção do escritor como fantasma, de quem muitas vezes os jovens que dizem querer ser escritor, mais que produzir uma obra de vulto similar, buscam copiar as práticas, as posturas, o modo de viver, andando pelo mundo com uma caderneta no bolso e uma frase na cabeça. Pois, complementou Barthes, aquilo que o fantasma impõe é o escritor tal como podemos vê-lo em seu diário íntimo, é o escritor menos sua obra: forma suprema do sagrado; a marca e o vazio.

Gostou? Compartilhe