Covid-19 não chegou até a população carcerária gaúcha

Com mais de 30 dias de pandemia, ações específicas para cada região asseguram que os mais de 40 mil presos no RS não sejam atingidos pelo Coronavirus

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

O Secretário da Administração Penitenciária, Cesar Faccioli, detalhou o Plano de Contingência para o Sistema Prisional, aprovado pelo Governador Eduardo Leite e validado pelo Grupo Interinstitucional, formado por todos os integrantes do Sistema de Justiça. O plano apresenta as providências tomadas desde o início da pandemia, para reduzir seu impacto, tanto sobre a população carcerária quanto sobre o efetivo da Susepe.

A estratégia é dividida em medidas voltadas especificamente a cada região, ela também contempla cuidados com os presos que entram no sistema penitenciário e com aqueles que já fazem parte da massa carcerária. E igualmente prevê os cuidados necessários com os servidores responsáveis pela guarda dos detentos. O plano e que foi montado antes do início do surto, permite compreender por que, com mais de 30 dias da pandemia, foi possível evitar que ela chegasse a uma população confinada, superior a 40 mil pessoas. Até o momento, nenhum preso testou positivo para Covid-19 dentro dos presídios gaúchos.

Outras medidas preventivas estão contidas no documento, como a criação das Patrulhas de Desinfecção e Conscientização, que, com a parceria da Defensoria Pública do Estado, já estão percorrendo o território gaúcho, promovendo a orientação de boas práticas sanitárias nas penitenciárias do Estado. E até mesmo a utilização da mão de obra prisional para produção de EPIs, o que já está em pleno funcionamento. Extenso e detalhado, o Plano reconhece as limitações financeiras do Governo e propõe o estabelecimento de parcerias (com municípios, instituições e entidades privadas), que já são realidade em várias regiões do Rio Grande do Sul. E propõe critérios minuciosos e objetivos para a liberação de presos com base em questões de saúde.

“Estamos apenas no início desta batalha. Mas, como em qualquer enfrentamento, uma das partes mais importantes, talvez a mais, seja estarmos preparados para ele. Este plano procurou antecipar todos os possíveis cenários e dificuldades que enfrentaríamos e algumas saídas que estivessem ao nosso alcance”, explicou Faccioli. “Até mesmo a suspensão das visitas presenciais, uma medida que sempre causa grande impacto no sistema, foi enfrentada sem maiores alterações e vem sendo mitigada, aos poucos, dentro do possível, com a implantação das televisitas, que já acontecem em algumas de nossas casas prisionais”, finalizou o secretário da Seapen.

Gostou? Compartilhe