PC realiza operação de combate a falsificação de produtos medicinais

A suspeita é que tenha sito comercializado um lote de vacinas falsificadas no norte do Rio Grande do Sul

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A Polícia Civil, por meio da Divisão Estadual de Combate à Corrupção, e de sua 1ª Delegacia de Polícia de Combate à Corrupção – 1ª DECOR, desencadeou a denominada Operação Anticorpo, coordenada pelo Delegado de Polícia Max Otto Ritter, com o objetivo de reprimir a prática, em tese, de crimes contra a Administração Pública, sobretudo Estelionato (tentativa), bem como de Crime Hediondo de Falsificação, Corrupção, Adulteração ou Alteração de Produto Destinado a Fins Terapêuticos ou Medicinais, no município de Coxilha/RS. A operação aconteceu na manhã desta terça-feira.

Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisões preventivas, no município de Passo Fundo. Aoperação conta com a participação de 16 policiais civis, entre agentes de delegados.

A investigação teve início em 24 de abril, a partir de denúncia formalizada por um laboratório dando conta da comercialização de frascos contendo vacinas tetravalente (Fluarix Tetra – Vacina Influenza Tetravalente), provavelmente falsificadas, junto ao Poder Público do Município de Coxilha/RS. A empresa denunciante constatou que um lote não foi produzido por ela, haja vista que o sistema de codificação utilizado não corresponde aos lotes consultados pelo Município de Coxilha/RS.

Após a realização de diligências policiais, constatou-se que efetivamente o município de Coxilha adquiriu o antídoto, faturando e empenhado verbas para pagamento do valor de R$19.500,00, entretanto o pagamento não se perfectibilizou porque servidores daquela municipalidade, desconfiados da procedência daquele medicamento, diligenciaram junto ao laboratório e foram informados de que aquele lote não teria sido produzido por eles.

As ações cumpridas nesta terça-feira visam à prisão preventiva dos agentes apontados como responsáveis pela comercialização da vacinas, bem como a apreensão de outros documentos imprescindíveis para as investigações, visando robustecer os elementos até aqui obtidos, a fim de se comprovar o conluio e a medida da culpabilidade dos envolvidos.

Gostou? Compartilhe