Relacionamento extraconjugal motivou triplo homicídio em Passo Fundo

Polícia ainda busca por dois mandantes e executores

Por
· 2 min de leitura
Arquivo/ONArquivo/ON
Arquivo/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Um caso extraconjugal teria sido o motivador para um crime que terminou na morte de três pessoas da mesma família. O crime aconteceu no dia 19 de maio, quando Ketlin Padia dos Santos, 15 anos, a tia dela, Jennifer Padia dos Santos, 26 anos, e o pai da adolescente, Alessandro dos Santos, de 34 anos, foram mortos por asfixia na casa onde moravam. Um dos mandantes do crime foi preso na manhã deste sábado (27), na cidade Casca. Dois outros mandantes, a esposa e o cunhado do preso estão na situação de foragidos. Um outro homem que teria sido contratado para arquitetar o crime está preso deste o último dia 19.

Segundo a delegada Daniela Minetto a investigação apontou que Jennifer Padia teria um relacionamento com seu patrão, na cidade de Casca. Este relacionamento resultou no nascimento de um criança, que atualmente está com pouco mais de um ano. “Inicialmente o pai da criança exigiu um exame de DNA, mas, desde que foi comprovada a paternidade, a esposa do patrão não teria aceitado. A partir de então, iniciaram as tratativas para o crime acontecer, disse ela. Teria sido ofertado para o indivíduo preso uma caminhoneta, e R$ 25 mil reais, para a execução do crime, fatos comprovados pelas conversas registradas nos celulares dos acusados.

A família de Jeniffer foi embora de Casca para morar em Passo Fundo. Inicialmente eles foram morar no bairro Cruzeiro, onde começara as ameaças de morte. A família recebeu uma caixa com uma boneca mutilada, e com manchas vermelhas. Em seguida, o patrão de Jeniffer comprou uma casa para ela no local onde aconteceu o crime. Jennifer ainda estaria fazendo exigências financeiras.

O crime

O homem contratado para executar o crime, utilizou uma rede social para fazer um contato com Jeniffer. A companheira do suspeito foi até o local onde Jeniffer morava, para negociar um aparelho celular. O taxista que levou a mulher até o local foi ouvido pela polícia e confirmou ter feito imagens fotográficas da casa a pedido da passageira.

Segundo a delegada Daniela, no dia do crime, o alvo era Jeniffer, mas quando os dois executores (que ainda não foram identificados), chegaram na residência, estavam Ketlin e Alessandro, a sobrinha e cunhado de Jennifer, que acabaram sendo mortos como uma consequência do assassinato de Jennifer. A esposa de Alessandro e mãe de Ketlin estava dormindo em uma casa nos fundo do mesmo terreno, ela não testemunhou o crime e teve a vida poupada. Três crianças com idades entre 1 e 6 anos, todos filhos de Jeniffer, foram testemunhas do crime, mas tiveram suas vidas poupadas.

Polícia ainda espera prender quatro envolvidos

A Polícia Civil ainda busca prender quatro envolvidos no crime. A esposa do homem preso neste sábado em Casca está com a prisão preventiva decretada. Ela é considerada foragida, assim como o irmão dela. Os dois são apontados como mandantes do crime.

A polícia também quer identificar os dois executores, contratados para cometer o crime pelo homem preso na sexta-feira (19). O homem apontado para arquitetar o crime é um ex-policial militar. Na manhã deste sábado a Brigada Militar emitiu uma nota oficial explicando que ele não faz mais parte da corporação há 20 anos.

Confira a nota:

“A Brigada Militar, através do 3°RPMon, vem à público esclarecer que o indivíduo preso preventivamente pela Polícia Civil por suspeita de envolvimento em um triplo homicídio ocorrido nesta cidade no mês passado, foi excluído da Corporação há quase 20 anos (2002).

Ressaltamos ainda que este cidadão, após ter sido expulso das fileiras da BM por contrariar os preceitos e valores defendidos por esta honrosa Corporação, passou a ser uma pessoa comum, não gozando de qualquer prerrogativa ou relação com esta Instituição, defensora da comunidade rio-grandense”.

Gostou? Compartilhe